Uma existência poética: Pureza, ternura e compaixão na lírica de Trakl

Autores

  • Laura B. Moosburger

DOI:

https://doi.org/10.48075/aoristo.v3i1.24876

Resumo


O presente texto oferece uma versão sucinta de minha tese de doutorado, “Inquietude e Sehnsucht na obra de Georg Trakl”. Lá, propus-me analisar e interpretar o que entendo ser a base afetiva e existencial desse poeta austríaco: a inquietude cristã – entendida, sumariamente, como um anseio de retorno a Deus – e a aspiração romântica (Sehnsucht) no modo todo próprio como esse afeto fundamental do romantismo alemão resgatou a inquietude cristã: buscando a reunificação com Deus através da beleza poética. Assim, sublinhei o vínculo entre o poético e o sagrado na obra trakliana. Atentei para o momento de grande consternação em que ele realizou sua escrita: o início do século XX, no irromper da primeira guerra mundial e diante de um mundo que perdia a conexão com o sagrado, o que infundiu à sua poesia um tom de extrema desesperança. Contra toda simplificação de que Trakl seria “um melancólico propenso exclusivamente ao pessimismo”, destaquei a força com que ele resgatou, na sublime beleza e delicadeza de suas imagens, precisamente o sagrado perdido nos destroços de um mundo insano, mostrando que sua melancolia lírica reflete claramente a busca romântico-cristã de retorno a Deus pela santificação poética da existência. O texto ora apresentado enfatiza os principais aspectos da poesia de Trakl que afloram como resposta ao problema levantado pela tese: o lirismo de suas imagens, a experiência da vida como sagrada, o sentido de pureza, a singeleza, a ternura e compaixão pelos seres mais delicados e frágeis, o apelo do poeta a que o ser humano assuma a responsabilidade irremissível por sua própria salvação.

Biografia do Autor

Laura B. Moosburger

Professor adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE.

Downloads

Publicado

10-05-2020

Como Citar

MOOSBURGER, L. B. Uma existência poética: Pureza, ternura e compaixão na lírica de Trakl. Aoristo - International Journal of Phenomenology, Hermeneutics and Metaphysics, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 24–42, 2020. DOI: 10.48075/aoristo.v3i1.24876. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/aoristo/article/view/24876. Acesso em: 11 ago. 2022.