MEMÓRIA DA ROÇA CAIÇARA E MODO DE VIDA DAS COMUNIDADES DE PEDRINHAS (ILHA COMPRIDA) E SÃO PAULO BAGRE (CANANÉIA)

Autores

  • Júlio César Suzuki
  • Maurício Vinícios Gomes Freitas
  • Denise Martins de Souza

DOI:

https://doi.org/10.48075/rfc.v12i15.7509

Resumo


A memória como fenômeno social e instrumento para reconstituir o modo de vida das comunidades caiçaras surge da necessidade de analisar tais fenômenos no tempo e no espaço. As comunidades caiçaras de Pedrinhas (Ilha Comprida) e São Paulo Bagre (Cananeia), localizadas no Vale do Ribeira, sul do Estado de São Paulo, estão passando por profundas transformações no que tange às restrições das práticas agroextrativistas e pesqueiras, devido basicamente ao aumento da especulação imobiliária, restrições ambientais, bem como em relação à introdução de práticas tipicamente citadinas que acabam por sobrepujar as antigas relações sociais que caracterizavam seu modo de vida. Nesta perspectiva, objetiva-se analisar as antigas práticas agroextrativistas destas comunidades, promovendo, a partir do resgate da memória dos moradores mais antigos, a articulação não só dos aspectos ligados à reprodução material, presentes nas antigas práticas destes sujeitos, mas, também, imateriais, revelando suas práticas culturais, de sociabilidade e de solidariedade. Para a realização da pesquisa, fundamo-nos em levantamento bibliográfico sobre modo de vida e função social da memória, bem como em levantamentos a partir de técnicas de trabalho de campo, com coletas de depoimentos orais dos sujeitos envolvidos no processo produtivo da roça caiçara, permitindo a análise da especificidade e da complexidade das relações espaciais de ambas as comunidades, assim como a reconstituição da memória das práticas produtivas e culturais.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

SUZUKI, J. C.; FREITAS, M. V. G.; DE SOUZA, D. M. MEMÓRIA DA ROÇA CAIÇARA E MODO DE VIDA DAS COMUNIDADES DE PEDRINHAS (ILHA COMPRIDA) E SÃO PAULO BAGRE (CANANÉIA). Revista Faz Ciência, [S. l.], v. 12, n. 15, p. 33, 2000. DOI: 10.48075/rfc.v12i15.7509. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/fazciencia/article/view/7509. Acesso em: 17 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Projeto Alfa III