Práticas educativas para o idoso: um estudo comparativo

Autores

  • Thereza Christina Gama
  • Alexsandra Rodrigues Amando
  • Bruna Coelho De Macedo
  • Glenda Katherine Silvestre da Silva
  • Edivaldo Xavier Da Silva Júnior
  • Clóvis Milton Duval Wannmacher

Palavras-chave:

Envelhecimento, educação, asilo, ensino.

Resumo


Esse estudo teve como objetivo realizar uma comparação entre idosos que vivenciam práticas educativas discutindo contextos distintos com diferenças e similaridades e os que não têm essa vivência. Trata de um estudo comparativo, de caráter exploratório, com abordagem quantitativa, especialmente em relação ao desenvolvimento pessoal. A população estudada foi composta por integrantes do Centro de Vivência da Secretaria do Desenvolvimento Social e do Trabalho (SEDEST), da Faculdade Aberta da Terceira Idade (FATI) e que residiam na casa geriátrica. A coleta de dados ocorreu no período de maio, junho e julho de 2015 com aplicação de questionário inicial e final.  Percebeu-se que a maioria dos idosos é do sexo feminino e encontra-se na faixa etária entre 50 e 70 anos. Além disso, os idosos que fazem parte da faculdade aberta da terceira idade (FATI) se diferenciam por possuírem maior renda e escolaridade. Com relação à forma como tomaram conhecimento sobre a existência da FATI, casa geriátrica e centro de vivência, as atividades desenvolvidas e as novidades trazidas à vida desses idosos, foram obtidas respostas bem diversificadas. Portanto, observou-se que a inserção dos idosos em diferentes contextos sociais está relacionada às suas condições econômicas, sociais e biológicas. Além disso, o lugar onde vivem ou mantém ligações interpessoais interfere diretamente na forma como esses idosos vivem, e no que esperam do futuro.

Referências

BALDIN, T.; MAGNABOSCO-MARTINS, C. R. Oficinas artísticas na Universidade Aberta para a terceira idade: contribuições para a qualidade de vida de idosos. Revista Conexão UEPG, v. 11, n. 1, p. 60-73, 2015. Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5069102>. Acesso em: 05 de setembro de 2015.

BORGES, P.L.C; BRETAS, R.P.; AZEVEDO, S.F.; BARBOSA, J.M.M. Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v.24, n.12, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2008001200008&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 05 de setembro de 2015.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais – Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira - 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

CAMARANO, A. A. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. IPEA. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0858.pdf> Acesso em: 10 de novembro de 2015.

CELICH, K.L.S.; SILVA, R.B.; SOUZA, S.M.S. Perfil socioeconômico e de saúde dos idosos participantes de um grupo de convivência. Revista Enfermagem UFPE OnLine, v.3, n.4, 2009. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/viewFile/102/pdf_957> Acesso em: 10 de novembro de 2015.

DIAS, D. S. G.; CARVALHO, C. S.; ARAÚJO, C. V. Comparação da percepção subjetiva de qualidade de vida e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 1, p. 127-38, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v16n1/a13v16n1.pdf>. Acesso em: 10 de novembro de 2015.

LUCCA, I. L.; RABELO, H. T. Influência das atividades recreativas nos níveis de depressão de idosos institucionalizados. R. bras. Ci. eMov, v.19, n.4, p. 23-30, 2011. Disponível em: <https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/2394/2117>. Acesso: 23 de jul. de 2015.

NAVARRO, F. M.; MARCON, S.S. Convivência familiar e independência para atividades de vida diária entre idosos de um centro dia. CogitareEnfermagem, v.11, n.3, 2006. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/7306/5238>. Acesso em: 10 de dezembro de 2015.

SILVA, A.; DAL PRÁ, K. R. Envelhecimento populacional no Brasil: o lugar das famílias na proteção aos idosos. Argumentum, Vitória (ES), v. 6, n. 1, p.99-115, 2014. Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5069102> . Acesso em: 30 de agosto de 2015.

SILVA, H.O.; CARVALHO, M.J.A.D.; LIMA, F.E.L.; RODRIGUES, L.V. Perfil epidemiológico de idosos frequentadores de grupos de convivência no município de Iguatu, Ceará. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.14, n.1, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v14n1/a13v14n1.pdf> Acesso em: 17 de setembro de 2015.

VERAS, R. P.; CALDAS, C. P. Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da terceira idade. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.9, n.2, p.423-32, 2004. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/csc/v9n2/20396.pdf>. Acesso em: 17 de setembro de 2015.

Downloads

Publicado

28-07-2016

Como Citar

GAMA, T. C.; AMANDO, A. R.; DE MACEDO, B. C.; SILVESTRE DA SILVA, G. K.; DA SILVA JÚNIOR, E. X.; WANNMACHER, C. M. D. Práticas educativas para o idoso: um estudo comparativo. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 2, p. 127–140, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14660. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO