Adeus, tenho que partir...

uma leitura de “Bye Bye, Brasil” e “Iracema Voou”, de Chico Buarque

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i3.31409

Palavras-chave:

Chico Buarque, “Bye bye, Brasil”, “Iracema voou”, nacionalismo

Resumo

A obra musical de Chico Buarque é conhecida pelo caráter interpretativo e crítico do Brasil, desde seu período mais participante das décadas de 1960 e 1970 e hoje, como um cronista arguto das mazelas de nossa sociedade. É possível dizer que em sua obra encontramos uma espécie de síntese das esperanças e desalentos da história recente do Brasil. Nessa perspectiva, esse artigo trabalha duas canções emblemáticas do cancioneiro do compositor carioca: “Bye bye, Brasil” e “Iracema voou”, que buscam interpretar o Brasil, no sentido de desvendar e desmistificar a concepção ufanista, que concebia a nação brasileira como uma pátria paradisíaca, grandiosa e fadada ao sucesso, como se propagou no pensamento romântico em canções de compositores anteriores à sua geração e também no regime militar. Na perspectiva buarquiana o Brasil é cantado de modo a contrapor-se a esse ponto de vista nacionalista ingênuo de seus precursores. Sem distanciar das “coisas do Brasil”, Chico Buarque acompanha as transformações históricas, sociais e culturais do país e nos revela suas desarmonias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Marcos Dias Cavalcanti, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Graduado em Letras: Língua Portuguesa e suas respectivas literaturas pela Universidade Federal de Ouro Preto, Mestre em Letras: Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Minas Gerais, Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas, realizou estágio de pós-doutorado no Departamento de Literatura Brasileira da UNESP/Araraquara. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, Teoria Literária e Literatura Comparada, atuando principalmente nos estudos de poesia e prosa brasileira moderna e contemporânea.

Referências

BARROSO, Ary. Aquarela do Brasil. Odeon, 1939.

DICIONÁRIO Cravo Albin da Música Popular brasileira. Verbete: Ary Barroso. 2023. Disponível em: https://dicionariompb.com.br/artista/ary-barroso/. Acesso em: 23 jun. 2023.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp, 2011.

FISCHER, Luiz Augusto. A Iracema de Chico. In: FERNANDES, Rinaldo (org.). Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Graramond/Fundação Biblioteca nacional, 2004.

HOLLANDA, Chico Buarque de. Chico Buarque: letra e música. Humberto Werneck (org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1989. (Song book, Vol. II)

HOLLANDA, Chico Buarque de. Chico Buarque: letra e música. Humberto Werneck (org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1997. (Song book, Vol. I)

HOLLANDA, Chico Buarque de. As Cidades. CD, Biscoito Fino, 1998.

IRACEMA: Uma Transa Amazônica - Cinemateca Brasileira. [S. d.]. Disponível em: https://bases.cinemateca.org.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/. Acesso em: 27 jun. 2023.

RONCARI, Luiz. Literatura Brasileira: Dos Primeiros Cronistas aos Últimos Românticos. São Paulo: Edusp, 2014.

SILVA, Fernando de Barros e. Folha Explica Chico Buarque. São Paulo: Publifolha, 2004.

VILLAÇA, Túlio Ceci. Discoteca Brasileira. Brasil, Bye, Bye. 2012. Disponível em: https://tuliovillaca.wordpress.com/2012/05/25/discoteca-brasilica-brasil-bye-bye/. Acesso: 01 jun. 2023.

WISNIK, José Miguel/Guilherme. O artista e o tempo. In: Song book Chico Buarque 2. Rio de Janeiro: Lumiar, 1999.

Downloads

Publicado

22-12-2023

Como Citar

CAVALCANTI, L. M. D. Adeus, tenho que partir...: uma leitura de “Bye Bye, Brasil” e “Iracema Voou”, de Chico Buarque. Travessias, Cascavel, v. 17, n. 3, p. e31409, 2023. DOI: 10.48075/rt.v17i3.31409. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/31409. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

LINGUAGEM