O educador contemporâneo

o ensinar como princípio social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i3.31876
Agências de fomento
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Palavras-chave:

Educador, Professor, Platão, Educação, Pedagogo, Pedagogia

Resumo

A Educação na contemporaneidade passa por transformações no que diz respeito a sua conceituação e atribuição de significados. Entender tais transformações e as novas demandas caracteriza-se como um dos papéis dos educadores e dos professores da atualidade, pois a partir deste movimento abrem-se novos caminhos para sua ressignificação e, por que não, reinvenção. Assim, cabe refletir sobre as certezas e incertezas que a nova humanidade digital, um dos aspectos mais significativos da referida mudança, aqui assumida como consequência da reontologização do sujeito contemporâneo, trará para a Educação, analisando tanto o seu contexto histórico como, também, o social. Neste sentido, o presente artigo possui por escopo compartilhar uma sistematização teórica acerca da origem do termo “educador” e dos seus desdobramentos para a Educação na contemporaneidade. Como percurso metodológico para construção da presente reflexão, recorre-se aos textos de Isócrates e da discussão platônica acerca da origem do termo educador e de sua função na sociedade grega, de modo a coadunar no que diz respeito aos aspectos da Educação contemporânea. Para além de uma conclusão, este texto propõe um quadro comparativo entre a atuação do educador no período pós homérico e a sua atuação hoje. Como sugestão para futuras reflexões, traz-se um esboço de pensamento que norteie os pressupostos teóricos da Educação e a necessidade de refletirmos sobre uma nova caracterização ontológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Mometti, Universidade de São Paulo - USP

Graduado em Física pela Universidade Federal de São Carlos (2016) e Università Degli Studi di Roma "La Sapienza" (2014 - 2016). Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da USP. Especialista na área de Formação de Professores que ensinam Matemática e Física. Doutor em Ensino de Ciências pela Faculdade de Educação e Instituto de Física, ambos da Universidade de São Paulo (USP) e Concordia University (Canada). Integrante do Programa de Formação de Professores (FEUSP - 2016 a 2017). Formador pedagógico da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP). Integrante do Núcleo de Pesquisa em Inovação Curricular (NUPIC/2016 - atual), Decolonizing Light: Tracing and counteringcolonialism in physics, Canada (2020 - atual) e pesquisador integrante da Cátedra Otávio Frias Filho de Estudos em Comunicação, Democracia e Diversidade, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (2021 - 2022) e da Cátedra José Bonifácio, do Centro Ibero Americano da Universidade de São Paulo (2022 - atual). Membro ativo da Sociedade Brasileira de Física, Associação Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências, Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Associação Nacional dos Professores de Matemática (Brasil), Associação dos Professores de Matemática (Portugal), Sociedade Brasileira de Matemática, National Association for Research in Science Teaching (NARST), Red de Centros de Investigación en Matemática Educativa (Red Cimates - América Latina), Sociedad de Educación Matemática Uruguaya, British Educational Research Association (BERA) e Red Iberoamericana de Pedagogia (REDIPE). Atua principalmente nos seguintes temas: formação de professores que ensinam matemática, metodologia de ensino de física e matemática e decolonialidade aplicada aos estudos curriculares.

Marcos Sidnei Pagotto-Euzebio, Universidade de São Paulo - USP

Possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1995), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (2000) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é professor doutor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, filosofia, filosofia da educação, filosofia antiga e estudos clássicos.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

BENEDICT, R. Padrões de cultura. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

BORGEAUD, F.; CAMBIANO, G.; CANFORA, L.; GARLAN, Y.; MOSSÉ, C.; MURRAY, O.; REDFIELD, J.; SEGEL, C.; VEGETTI, M.; VERNANT, J. P. A origem do homem grego. Jean Pierre Vernant (org.). Lisboa: Presença, 1993.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

COSTA, R. R. S. O projeto filosófico de Isócrates, no discurso contra os sofistas. 2010. 94f . Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

DURKHEIM, É. Lições de sociologia. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

ISÓCRATES. Discursos. Tradução de J. M. Guzmán Hermida. Madrid: Editora Gredos, 1979.

JAEGER, W. Paideia: a formação do homem grego. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

KUHN, T. S. La struttura delle rivoluzioni scientifiche. 1. ed. Turim: Biblioteca Einaudi, 1999.

LACERDA, T. C. E. de. As reflexões metadiscursivas no discurso Antídose de Isócrates. 2016. 280 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8143/tde-02122016-141549/pt-br.php. Acesso em: 20 nov. 2023.

MACHADO, N. J. O conhecimento como valor: as ideias de a-crescimento e de commons. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 26, n. 67, p. 7-10, jan./abr. 2015.

MARROU, H-I. Histoire de l’éducation dans l’Antiquité. Paris: Seuil, 1964.

MARROU, H-I. História da educação na Antiguidade. São Paulo: E.P.U e Edusp, 1973.

PAGOTTO-EUZEBIO, M. S. Isócrates – Contra os sofistas. Editora Mandruvá, Centro de Estudos Medievais – Oriente & Ocidente, 2001. Disponível em: http://www.hottopos.com/mirand12/euzeb.htm. Acesso em: 20 nov. 2020.

PLATÃO. Górgias. Tradução de Jaime Bruna. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

PLATÃO. Sócrates: coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Editora Abril, 1973.

PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants - Part 1. On the Horizon, 2001, v. 9, n. 5, p. 1-6.

XENOFONTE. Ditos e Feitos Memoráveis de Sócrates. Tradução de Líbero Rangel de Andrade. In: Sócrates: coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Editora Abril, 1980.

Downloads

Publicado

22-12-2023

Como Citar

MOMETTI, C.; PAGOTTO-EUZEBIO, M. S. O educador contemporâneo: o ensinar como princípio social. Travessias, Cascavel, v. 17, n. 3, p. e31876, 2023. DOI: 10.48075/rt.v17i3.31876. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/31876. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

ENSAIOS E TEMAS INTERDISCIPLINARES