Zwölf Sätze über den Skeptizismus in Heideggers, I. M. Fehér

Leila R. Klaus, Eduardo Henrique Silveira Kisse

Resumo


No § 44 de Ser e Tempo de Heidegger, achamos algumas concisas observações sobre ceticismo. O trecho, que inclui 12 sentenças, mais algumas formulações e linhas de pensamento pouco claras e obscuras; a 11ª frase experimentou, para além disso, na 7ª edição, uma modificação (no lugar de “nunca” se colocou “alguma vez”), por meio disso, o sentido do texto parece ter se tornado ainda mais confuso. O presente artigo se propõe submeter a dita passagem, partindo da modificada 11ª frase de uma cuidadosa interpretação, na qual a modificação do texto está no centro da discussão e se faz referência às outras frases para seu esclarecimento. – A interpretação resulta em que, na passagem do texto, formas igualmente significantes se aproximam de acordo com, se à linha de pensamento se adiciona “nunca” ou “alguma vez”. A ambas as variantes é comum que elas expressem uma insatisfação fundamental em relação ao ceticismo epistemológico; contra isso, existe uma diferença em relação ao fato de que, enquanto a variante de “nunca” tende a contrapor uma espécie de ceticismo existencial ao ceticismo tradicional, a variante de “alguma vez”, de modo oposto, move o sentido da frase modificada (e, com isso, também o sentido de toda passagem do texto) na direção de uma dissolução por excelência do ceticismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.6394/aoristo.v3i1.24885

Direitos autorais 2020 Aoristo - International Journal of Phenomenology, Hermeneutics and Metaphysics

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Aoristo - International Journal of Phenomenology, Hermeneutics and Metaphysics
ISSN 2526-592X (versão eletrônica)
Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Curso de Filosofia da UNIOESTE
Rua da Faculdade, 645 - Jardim La Salle
CEP: 85903-000 – Toledo-Paraná-Brasil