Bem-Estar Subjetivo e Comprometimento Organizacional: um Estudo com Profissionais Contábeis

Autores

  • Suzete Antonieta Lizote Universidade do Vale do Itajai - UNIVALI
  • Sayonara de Fátima Teston Unoesc - Universidade do Oeste Catarinense
  • Patrick Zawadzki UNOESC - Universidade do Oeste Catarinense
  • Danuzi da Silva UNIVALI- Universidade do Vale do Itajai
  • Charlize de Moraes Noval UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí

DOI:

https://doi.org/10.48075/revex.v20i4.27551

Palavras-chave:

Bem-estar Subjetivo. Comprometimento organizacional. Contabilidade.

Resumo


A regulação emocional ocorre através da expressão dos sentimentos no dia a dia e está relacionada diretamente ao bem-estar subjetivo. Este é um tema de discussões entre os gestores das empresas por estar associado com o comprometimento no trabalho. Este estudo teve como objetivo relacionar o bem-estar subjetivo com o comprometimento organizacional dos profissionais contábeis. A pesquisa foi quantitativa e exploratória. A população esteve composta por 208 colaboradores de quatro escritórios contábeis do Sul do Brasil, resultando em uma amostra de 155 respondentes. Os dados foram coletados através da aplicação de um questionário de autopreenchimento dividido em duas partes. A primeira, com base em Albuquerque e Tróccoli (2004) foi utilizada uma escala para avaliar o bem-estar subjetivo sendo dividido em afeto positivo, negativo e satisfação com a vida. A segunda, para mensurar o comprometimento organizacional com base no modelo de Meyer e Allen (1991) sendo dividido em comprometimento afetivo, instrumental e normativo. Os resultados obtidos demonstraram que o comprometimento afetivo dos colaboradores está diretamente relacionado com os afetos positivos e com a satisfação com a vida. Verificou-se também, que para os profissionais contábeis participantes da pesquisa, quanto maior o comprometimento normativo e instrumental, maiores são os afetos negativos e menor é a sua satisfação com a vida.   ABSTRACT Emotional regulation occurs through the expression of feelings daily and is directly related to subjective well-being. This is a topic of discussion among company managers as it is associated with commitment at work. This study aimed to relate the subjective well-being with the organizational commitment of accounting professionals. The research was quantitative and exploratory. The population consisted of 208 employees from four accounting offices in southern Brazil, resulting in a sample of 155 respondents. Data were collected through the application of a self-administered questionnaire divided into two parts. The first, based on Albuquerque and Tróccoli (2004), used a scale to assess subjective well-being divided into positive, negative affect and life satisfaction. The second, to measure organizational commitment based on the model of Meyer and Allen (1991) being divided into affective, instrumental, and normative commitment. The results obtained showed that the employees' affective commitment is directly related to positive affections and satisfaction with life. It was also found that for the accounting professionals participating in the survey, the greater the normative and instrumental commitment, the greater the negative affect and the lower their satisfaction with life.

Biografia do Autor

Suzete Antonieta Lizote, Universidade do Vale do Itajai - UNIVALI

Doutora em Administração e Turismo.   Docente na Universidade do Vale do Itajaí - Escola de Negócios nos Cursos de Graduação em Ciências Contábeis; Mestrado Profissional em Gestão, Internacionalização e Logística (PMPGIL) e Mestrado e Doutorado em Administração (PPGA).

Sayonara de Fátima Teston, Unoesc - Universidade do Oeste Catarinense

Doutora em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, Santa Catarina, Brasil. Docente do Mestrado Profissional em Administração no Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Patrick Zawadzki, UNOESC - Universidade do Oeste Catarinense

Doutorando em Administração pela UNOESC - Chapecó Santa Catarina, Brasil. Docente do Curso de Graduação em Administração, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Danuzi da Silva, UNIVALI- Universidade do Vale do Itajai

Mestranda em Administração pela Universidade do Vale do Itajai - UNIVALI

Charlize de Moraes Noval, UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí

Mestranda em Administração pela Universidade do Vale do Itajai

Referências

ALBUQUERQUE, A.; TRÓCCOLI, B. T. Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 153-164, 2004.

ALI, R.; KASHIF, M. O papel da liderança ressonante, da amizade no local de trabalho e da cultura de atendimento na previsão do comprometimento organizacional: o papel mediador da compaixão no trabalho. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 22, n. 4, p. 799-819, 2020.

ALVES, C. S. R., et al. Líderes transformacionais e transacionais contribuem para o comprometimento organizacional afetivo. IN: Enanpad: Porto Alegre, 2020.

ANSARI, A. R.; KASHIF, M. Few glitters are original gold. Asia Pacific Journal of Marketing and Logistics, v. 32, n. 3, p. 747-767, 2019.

ARAÚJO, M. S. G.; LOPES, P. M. P. R. Virtuous leadership, organizational commitment and individual performance. Tékhne – Review of Applied Management Studies, v. 12, n. 1, p. 3-10, 2014.

BANDEIRA, M. L.; MARQUES, A. L.; VEIGA, R. T. As dimensões múltiplas do comprometimento organizacional: um estudo na ECT/MG. Revista de Administração Contemporânea, v. 4, n. 2, p. 133-157, 2000.

BASTOS, A. V. B., et al. Comprometimento organizacional. In: SIQUEIRA, M. M. M. (Org). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BASTOS, A. V. B., et al. Vínculos dos indivíduos com a organização: análise da produção científica brasileira 2000-2010. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 30, n. 2, p. 153-162, 2014.

BORGES, L. O.; ALBUQUERQUE, F. J. B. Socialização organizacional. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

CACHIONI, M., et al. Bem-estar subjetivo e psicológico de idosos participantes de uma universidade aberta à terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 20, n. 3, p. 340-352.

CARNEIRO, L. L.; FERNANDES, S. R. P. Bem-estar pessoal nas organizações e lócus de controle no trabalho. Revista Psicologia - Organizações e Trabalho, v. 15, n. 3, p. 257-270,2015.

DEMO, G., FOGAÇA, N.; COSTA, A. C. Políticas e práticas de gestão de pessoas nas organizações: cenário da produção nacional de primeira linha e agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 2, p. 251-263, 2018.

DIENER, E. Assessing subjective wellbeing: progress and opportunities. Social Indicators Research, v. 31, p. 103-157, 1994.

FALCE, J. L., et al. Organizational commitment: longitudinal study in a public higher education organization. Revista de Administração Mackenzie, v. 18, n. 6, p. 124-148, 2017.

GALINHA, I.; RIBEIRO, J. L. História e evolução do conceito de bem-estar subjectivo. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 6, n. 2, p. 203-214, 2005.

GIACOMONI, C. Bem-estar subjetivo: em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia, v. 12, n. 1, p. 1401-1410, 2004.

GUEST, D. E. Human resource management and employee well-being: towards a new analytic framework. Human Resource Management Journal, v. 27, n. 1, p. 22-38, 2017.

HAIR Jr. J. F., et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HILLAGE, J., et al. Health and employment outcomes: data exploration. London: The National Archives, 2014.

JESUS, R. G.; ROWE, D. E. O. Percepção de políticas de gestão de pessoas e comprometimento organizacional: O papel mediador da percepção de justiça organizacional. Tourism & Management Studies, v. 11, n. 2, p. 211-218, 2015.

KASHIF, M.; ZARKADA, A.; THURASAMY, R. Customer aggression and organizational turnover among service employees: the moderating role of distributive justice and organizational pride. Personnel Review, v. 46, n. 8, p. 1672-1688, 2017.

LICHTENSTEIN, S.; SLOVIC, P. The construction of preference. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

LIMA, M. C. S., et al. Ações de treinamento em uma universidade pública, desenvolvimento profissional e cidadania organizacional: existe relação entre esses constructos? Organizações & Sociedade, v. 27, n. 92, p. 152-170, 2020.

LOEWENSTEIN, G.; READ, D.; BAUMEISTER, R. F. Time and decision: economic and psychological perspectives on intertemporal choice. New York: Russel Sage Foundation, 2003.

MACIEL, C. O.; NASCIMENTO, M. R. Em busca de uma abordagem não atomizada para o exame das relações entre liderança transformacional e comprometimento organizacional. Revista de Administração, v. 48, n. 3, p 544-559, 2013.

MAIA, L. G.; BASTOS, A. V. B. Organizational commitment, psychological contract fulfillment and job performance: a longitudinal quantiqualitative study. Brazilian Administration Review, v. 12, n. 3, p. 250-267, 2015.

MARQUES, G. M., et al. Estilos de liderança e comprometimento organizacional: uma aplicação do Multifactor Leadership Questionnaire (MLQ) no Brasil. Revista ADM.MADE, v. 11, n. 2, p. 99-125, 2007.

MEYER, J. P.; ALLEN, N. J. A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, v. 1, n.1, p. 61-89, 1991.

MOLINA, M. L., et al. Bem-estar e fatores associados em professores do ensino fundamental no sul do Brasil. Revista CEFAC, v. 19, n. 6, p. 812-820, 2017.

MOWDAY, R. T. Reflections on the study and relevance of organizational commitment. Human Resource Management Review, 8, 387-401, 1998.

MOWDAY, R. T.; STEERS, R. M.; PORTER, L. W. The measurement of organizational commitment. Journal of Vocacional Behavior, v. 14, n. 2, p. 224-247, 1979.

NEIVA, E. R.; MACAMBIRA, M. O.; RIBEIRO, E. M. B. A. Práticas de gestão, bem-estar e comportamento de apoio. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n. 1, p. 1-27, 2020.

NOGUEIRA, M. L. O.; COSTA, L. V.; CLARO, J. A. C. S. Relação entre estilo de liderança e comprometimento organizacional afetivo. Revista de Administração, Contabilidade e Economia – RACE, v.14, n. 2, p. 707-736, 2015.

NUNES, C., HUTZ, C.; GIACOMONI, C. Associação entre bem-estar subjetivo e personalidade no modelo dos cinco grandes fatores. Avaliação Psicológica, v. 8, n. 1, p. 99-108, 2009.

OLIVEIRA, A. F.; GOMIDE JÚNIOR, S.; POLI, B. V. S. Antecedentes de bem-estar no trabalho: Confiança e políticas de gestão de pessoas. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n.1, p. 1-26, 2020.

OLIVEIRA, H. H.; HONÓRIO, L. C. Práticas de recursos humanos e comprometimento organizacional: Associando os construtos em uma organização pública. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n. 4, p. 1-28, 2020.

OLIVEIRA-SILVA, L. C.; PORTO, J. B. Bem-estar subjetivo e florescimento no trabalho: o impacto da realização profissional. Revista de Administração Mackenzie, v. 22, n.1, p. 1-25, 2021.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas (Coord). Organização Mundial da Saúde. (Trad. Dorgival Caetano). Porto Alegre: Artes Médicas, 2008.

PAIVA, K. C. M.; DUTRA, M. R. S.; LUZ, T. R. Comprometimento organizacional de trabalhadores de call center. Revista de Administração, v. 50, n. 3, p. 310-324, 2015.

PALACIOS, K. P. E.; PEIXOTO, A. L. A. Ferramenta de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2015.

Paz, M. G. T., et al. Bem-estar pessoal nas organizações e qualidade de vida organizacional: o papel mediador da cultura organizacional. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n.1, p. 1-37, 2020.

PÉREZ-NEBRA, A. R.; QUEIROGA, F.; OLIVEIRA, T. A. Presenteísmo de professores regentes: bem-estar como estado psicológico crítico na mediação de características do trabalho. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n. 1, p. 1-27, 2020.

POLIZZI FILHO, A.; CLARO, J. O impacto de bem-estar no trabalho e capital psicológico sobre intenção de rotatividade: um estudo com professores. Revista de Administração Mackenzie, v. 20, n. 2, p. 1-27, 2019.

REGO, A.; SOUTO, S. Comprometimento organizacional em organizações autentizóticas: um estudo luso-brasileiro. Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 3, p. 30-43, 2004.

REGO, A.; CUNHA, M. P.; SOUTO, S. Espiritualidade nas organizações e comprometimento organizacional. RAE-electronica, v. 6, n. 2, 2007.

ROBERTSON, I., et al. Resilience training in the workplace from 2003-2014: a systematic review. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 88, n. 3, p. 533-562, 2015.

ROCHA SOBRINHO, F.; PORTO, J. B. Bem-estar no trabalho: um estudo sobre suas relações com clima social, coping e variáveis demográficas. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 2, p. 253-270, 2012.

ROCHA, E. S.; HONÓRIO, L. C. Comprometimento com o trabalho: o caso dos chefes de seções de infraestrutura da UFMG. Revista de Ciências Administrativas, v. 21, n. 1, p. 237-261, 2015.

SANTOS, D. N. D.; ARAÚJO, M. R. M.; MARQUES, E. C. Influência da socialização organizacional sobre o comprometimento organizacional: um estudo de caso na Polícia Militar de Sergipe. Administração Pública e Gestão Social, v. 12, n. 4, p. 1-17,2020.

SCHWEPKER, C. H., Jr.; DIMITRIOU, C. K.; McCLURE, T. Reducing service sabotage and improving employee commitment to service quality. Journal of Services Marketing, v. 33, n. 5, p. 615-625, 2019.

SHARMA, P.; KONG, T. T. C.; KINGSHOTT, R. P. Internal service quality as a driver of employee satisfaction, commitment and performance: exploring the focal role of employee well-being. Journal of Service Management, v. 27, n. 5, p. 773-797, 2016.

SILVA, P. L.; NUNES, S. C.; ANDRADE, D. F. Estilo do líder e comprometimento dos liderados: associando construtos em busca de possíveis relações. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 21, n. 2, p. 291-311, 2019.

SINISAMMAL, J., et al. Managing well-being at work during 2010s - Expert viewpoints. Open Journal of Safety Science and Technology, v. 2, n. 1, p. 25-31, 2012.

SIQUEIRA, M. M.; PADOVAM, V. A. R. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 24, n. 2, p. 201-209, 2008.

VOGT, M.; BILK, A.; SILVA, M. Z. Incerteza ambiental na contabilidade gerencial: perspectivas futuras. Revista Pretexto, v. 20, n. 4, p. 45-59, 2019.

WAGNER; J. A.; HOLLENBECK; J. R. Comportamento organizacional: criando vantagem competitiva. 4. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2020.

WEYMER, A. S. Q., et al. A contribuição de mulheres líderes no nível de comprometimento organizacional. Revista Gestão Organizacional, v 11, n. 3, p. 76-91, 2018.

WOYCIEKOSKI, C.; STENERT, F.; HUTZ, C. Determinantes do bem-estar subjetivo. Psico, v. 43, n. 3, p. 280-288, 2012.

Downloads

Publicado

07-11-2021

Como Citar

LIZOTE, S. A.; TESTON, S. de F.; ZAWADZKI, P.; SILVA, D. da; NOVAL, C. de M. Bem-Estar Subjetivo e Comprometimento Organizacional: um Estudo com Profissionais Contábeis. Revista Expectativa, [S. l.], v. 20, n. 4, p. 61–81, 2021. DOI: 10.48075/revex.v20i4.27551. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/27551. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Seção - Gestão nas Organizações