MENINAS MIGRANTES: A MIGRAÇÃO INFANTO-JUVENIL RURAL E SUA INSERÇÃO NO TRABALHO DOMÉSTICO URBANO

Autores

  • Guélmer Júnior Almeida Faria
  • Luiz Antonio de Matos Macedo

DOI:

https://doi.org/10.48075/rfc.v15i22.9147

Palavras-chave:

gênero, geração, migrações rurais-urbanas, trabalho doméstico

Resumo


O presente estudo se assenta sobre as dinâmicas de deslocamento populacional, também chamada de migrações internas do segmento infanto-juvenil. As dinâmicas do processo de deslocamento populacional sofrem influência de vários fatores, dentre eles a industrialização. A disponibilidade de serviços públicos e políticas sociais nas áreas mais dinâmicas também constituiriam fatores potencializadores do fenômeno. Diante deste cenário, são os jovens que estariam predispostos a migrar mais do que qualquer outro grupo etário, no entanto, devido à baixa qualificação, a oferta de força de trabalho consequente da migração à cidade é absorvida pelo serviço doméstico. Meninas pobres de regiões rurais deixam suas famílias para enfrentar o trabalho doméstico nos centros urbanos e, acreditam dessa forma, melhorar a qualidade de vida. Por considerar que esses sujeitos sociais são portadores de direitos, é que um desenvolvimento justo passa pelo apoderamento dos aparelhos de proteção social do Estado, este estudo tem a pretensão de refletir no atual cenário o segmento infanto-juvenil que vem ganhando cada vez mais destaque no cenário da contemporaneidade.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

FARIA, G. J. A.; MACEDO, L. A. de M. MENINAS MIGRANTES: A MIGRAÇÃO INFANTO-JUVENIL RURAL E SUA INSERÇÃO NO TRABALHO DOMÉSTICO URBANO. Revista Faz Ciência, [S. l.], v. 15, n. 22, p. 103, 2000. DOI: 10.48075/rfc.v15i22.9147. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/fazciencia/article/view/9147. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos