DOS MUROS ÀS CERCAS: UM ENTENDIMENTO DOS TERRITÓRIOS SEGREGADORES E EXCLUDENTES NO(S) ESPAÇO(S) URBANO(S) E RURAL(IS): SIMILITUDES E CONTRADIÇÕES

Autores

  • Cintia Pereira dos SANTOS

DOI:

https://doi.org/10.48075/geoq.v4i1.4351

Resumo


O presente artigo pretende analisar os processos de segregação e exclusão socioterritoriais inseridos nos espaços rurais e urbanos, que se materializam primeiramente, por meio de suas formas, como os muros dos condomínios fechados; horizontais e/ou verticais, bem como as cercas dos grandes latifúndios. Tal similitude e correlação deve-se ao fato desses processos causarem demasiadamente a divisão, isto é, a separação dos indivíduos, assim como dos grupos sociais. Em decorrência disso imprime-se a imaterialidade, construída por símbolos e signos que reforçam a separação social por meio da propriedade privada, dos meios de produção e dos bens de consumo coletivo. A materialidade apresenta-se nas formas de separação territorial dos indivíduos, onde nos espaços urbanos, utilizam-se altos muros, cercas eletrificadas, segurança privada, dentre outros. Enquanto no meio rural, manifesta-se na propriedade privada, nas cercas que delimitam e acirram as contradições inerentes ao uso da terra, vinculadas ao latifúndio e ao agronegócio. Compreendendo o conteúdo dos muros e das cercas como territórios socialmente construídos e que estabelecem relações de poder. No caso das cidades, os espaços públicos são apropriados como áreas particulares – (constituindo espaços públicos - privados) que por ora não permitem o acesso de todos (as), já nos latifúndios é estabelecida a lógica da propriedade privada, portanto, da concentração fundiária, além dos ditames do agronegócio.

Downloads

Publicado

07-02-2011

Como Citar

DOS SANTOS, C. P. DOS MUROS ÀS CERCAS: UM ENTENDIMENTO DOS TERRITÓRIOS SEGREGADORES E EXCLUDENTES NO(S) ESPAÇO(S) URBANO(S) E RURAL(IS): SIMILITUDES E CONTRADIÇÕES. Geografia em Questão, [S. l.], v. 4, n. 1, 2011. DOI: 10.48075/geoq.v4i1.4351. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/view/4351. Acesso em: 26 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos