EM BUSCA DO CRESCIMENTO PERDIDO: EXPLICAÇÕES PARA A PERSISTÊNCIA DA CRISE ECONÔMICA DE 2007/2008 NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS

Autores

  • Marcos Roberto Vasconcelos Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.48075/gdemrevista.v5i1.21169

Palavras-chave:

Crise econômica, ciclos, crescimento econômico, países desenvolvidos

Resumo


O presente artigo apresenta e examina algumas explicações para a dificuldade de recuperação dos países desenvolvidos no pós-crise econômica de 2007/08. Essa foi tão severa para as economias desenvolvidas que passou a receber o epiteto de a “Grande Crise”. Embora não tenha apresentada a mesma magnitude de queda nos níveis de atividade econômica e no emprego que a Grande Depressão de 1929, a duração dos efeitos da Grande Crise tem chamado à atenção de diversos economistas. Aqui se expõe três das principais hipóteses explicativas para tal fenômeno: a de estagnação secular; a de headwinds; e a de efeito histerese. Mesmo partindo de diferentes premissas, elas compartilham uma visão pessimista sobre a trajetória futura das taxas de crescimento econômico para as próximas décadas. Da mesma forma, apontam implicações e novos desafios para a condução da política econômica e para a própria teoria econômica

Downloads

Publicado

16-12-2019

Como Citar

VASCONCELOS, M. R. EM BUSCA DO CRESCIMENTO PERDIDO: EXPLICAÇÕES PARA A PERSISTÊNCIA DA CRISE ECONÔMICA DE 2007/2008 NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS. Gestão e Desenvolvimento em Revista, [S. l.], v. 5, n. 1, p. p. 70–83, 2019. DOI: 10.48075/gdemrevista.v5i1.21169. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gestaoedesenvolvimento/article/view/21169. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos