EFEITO DA TEMPERATURA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Brachiaria brizantha cv. Marandu (Hochst. ex A. Rich.) Stapf (Poaceae)

Autores

  • Bruna Muller Chiodini
  • Claudia Tatiana Araujo da Cruz-Silva

Palavras-chave:

ácido sulfúrico, forrageira, germinação

Resumo


O capim braquiária brizanta (Brachiaria brizantha cv. Marandu (Hochst. ex A. Rich.) Stapf) é uma forrageira, pertencente a família Poaceae,  sendo utilizada para a formação de pastagens. O trabalho teve como objetivo definir qual a melhor temperatura para a germinação de sementes de B. brizantha tratadas com ácido sulfúrico e sem tratamento. Foram testadas 3 temperaturas: 10, 25 e 40ºC, submetendo um lote de sementes a tratamento prévio de imersão em ácido sulfúrico por 15 minutos e outro lote sem esse tratamento. As sementes foram acondicionadas em caixas “gerbox”, colocadas em câmara de germinação sob fotoperíodo de 24 horas de luz. O experimento foi conduzido por 42 dias, sendo que não foi observada germinação após o 26º dia. Verificou-se que no lote de sementes não tratadas apenas as submetidas a temperatura de 25oC germinaram com um percentual de 8% e tiveram o IVG de 1,27 apresentando diferenças estatisticamente significativas das demais temperaturas. As sementes submetidas a tratamento prévio com ácido sulfúrico, apresentaram uma média maior de germinação para as temperaturas de 10 e 25oC, na ordem de 13 e 18%, respectivamente, permanecendo nula para a temperatura de 40oC que diferiu estatisticamente das demais temperaturas. O IVG daquelas submetidas a 25oC também foi superior, 3,24 sementes germinadas por dia. Conclui-se que a temperatura de 25oC é a mais indicada para a germinação de sementes de B. brizantha, induzindo um percentual maior e mais rápido de germinação se submetidas a tratamento prévio de imersão em ácido sulfúrico.  

Downloads

Publicado

28-08-2012

Como Citar

CHIODINI, B. M.; CRUZ-SILVA, C. T. A. da. EFEITO DA TEMPERATURA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Brachiaria brizantha cv. Marandu (Hochst. ex A. Rich.) Stapf (Poaceae). Varia Scientia Agrárias, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 105–113, 2012. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/variascientiaagraria/article/view/6148. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Produção Vegetal