LITERATURA E HISTÓRIA: UMA QUESTÃO DE LINGUAGEM NA ESCRITURA DE EDUARDO GALEANO

Heloísa Ribeiro Miranda

Resumo


A história, em seu estatuto de ciência, compõe-se como um gênero narrativo. A literatura, expressão artística, está naturalmente implicada na história, que a constitui como gênero produzido pelo homem, imerso na temporalidade.  O “ponto-zero”, que marca o antes e o depois entre a história e a literatura, está no fato de ambas se constituírem como linguagem. Sendo assim, pretendemos nesse texto demonstrar como o discurso histórico pode fazer uso da linguagem literária na composição da narrativa historiográfica. Para tanto, analisaremos o texto “Palabras perdidas”, do uruguaio Eduardo Galeano, retirado da obra Espejos: una historia casi universal (2008), observando que, embora Galeano não cumpra as exigências do método da historiografia estrutural (demarcação temporal, relato dos fatos, informação das fontes, etc), seu texto oferece outra configuração, possível ao discurso histórico.


Palavras-chave


Eduardo Galeano, Literatura e História, Linguagem

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Revista de Literatura, História e Memória

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |