Mal-estar no trabalho: evidências em funcionários públicos e privados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/revex.v20i4.24570

Palavras-chave:

Assédio Moral no Trabalho. Assédio Moral Profissional. Assédio Moral Pessoal. Relações de Trabalho.

Resumo


Este estudo tem por objetivo evidenciar o panorama da percepção de assédio moral no trabalho em trabalhadores brasileiros, elaborado a partir de análises com cruzamentos entre percepções de funcionários públicos e privados, homens e mulheres. Para a coleta de dados, optou-se por utilizar a Escala de Percepção de Assédio Moral no Trabalho (EP-AMT), instrumento validado por Martins e Ferraz (2014). Os resultados mostram que 50,3% dos respondentes são do sexo masculino e 47,8% do sexo feminino, além do que 32,3% são profissionais com contrato de trabalho de servidor/a público e 65,8% atuam na iniciativa privada; 1,9% dos respondentes não informaram sexo e tipo de contrato de trabalho. Para análise cruzada optou-se pela análise com base no Teste-t de Stutent, com uso do software SPSS 21. Ficou evidenciado que o assédio moral pessoal, o assédio moral profissional ou o assédio moral no trabalho não são percebidos de modo diferente pelos respondentes quando da análise cruzada considerando os tipos de contrato ou o sexo dos respondentes. Desse modo, a pesquisa mostra que pessoas que atuam no setor público têm a mesma percepção que aquelas que atuam no setor privado e, também, homens e mulheres têm as mesmas percepções quanto ao assunto. Portanto, conclui-se que o assédio moral no trabalho não foi percebido como alto nos ambientes dos respondentes, e que o contrato de trabalho ou o sexo não foram variáveis que influenciaram numa maior ou menor percepção. ABSTRACT   This study aims to highlight the panorama of the perception of bullying at work among Brazilian workers, drawn from analyzes with intersections between perceptions of public and private employees, men and women. For data collection, we chose to use the Scale of Perception of Moral Harassment at Work (EP-AMT), an instrument validated by Martins and Ferraz (2014). The results show that 50.3% of respondents are male and 47.8% female, in addition to 32.3% are professionals with an employment contract as a public servant and 65.8% work in the private sector; 1.9% of respondents did not inform their gender and type of employment contract. For cross-analysis, we opted for the analysis based on the Stutent t-test, using the SPSS 21 software. It was evident that personal bullying, professional bullying or bullying at work are not perceived differently by the respondents when cross-analysis considering the types of contract or the gender of respondents. Thus, the research shows that people who work in the public sector have the same perception as those who work in the private sector and, also, men and women have the same perceptions on the subject. Therefore, it is concluded that bullying at work was not perceived as high in the respondents' environments, and that the employment contract or gender were not variables that influenced a greater or lesser perception.

Biografia do Autor

Ismael de Mendonça Azevedo, Universidade Potiguar

Bacharel em Administração pela Universidade Estadual da Paraíba (2009). MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Potiguar desde (2014). Mestre em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Potiguar. Bolsista PROSUP/CAPES/UnP - Mestrado Acadêmico em Administração (2017/2018). Especializando em Marketing e Comportamento do Consumidor pela Universidade de Araraquara (2018 atual). Professor dos cursos de graduação em Administração, CST em Marketing e CST em Gestão de Recursos Humanos na Universidade Potiguar.

Lydia Maria Pinto Brito, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Possui graduação em Serviço Social pela UECE (1974), mestrado em Sociologia (1998) e doutorado em Educação pela UFC Ceará (2004). Professora titular do Curso de Doutorado e Mestrado em Administração da Universidade Potiguar-RN(2006/2019). Tem experiência na área de Gestão de Pessoas, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão por competência, gestão do conhecimento, organizações de aprendizagem, movimentos sociais e mídias sociais, diversidade, comportamento organizacional , gestão estratégica de pessoas e relações de trabalho. É professora de cursos de Pós-graduação - Especialização da UFC/Cetrede/FIEC, UECE, UNIFOR, UFRN, dentre outras.

Referências

ALKIMIN, Maria Aparecida. Assédio moral na relação de emprego. Curitiba: Juruá, 2006.

AZEVEDO, I. M. Gestão por perversão: a crise econômica invade o ambiente organizacional e abre as portas ou assédio. Id on-line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 10, n. 32, p. 189-198, 2016.

AZEVEDO, I. M. Assédio moral em análise: o status quo dos estudos na administração. Revista Foco, v. 12, n. 1, p. 25-44, 2019.

BENDASSOLLI, P. F. Mal estar no trabalho: do sofrimento ao poder de agir. Revista mal-estar e subjetividade, Fortaleza, v. XI, n. 1, p. 65-99, 2011.

CAMPOS, M. I.; RUEDA, F. J. M. Assédio moral: evidências de validade de escala e relações com qualidade de vida no trabalho. Aval. Psicol. Itatiba, v. 15, n. 1, p. 21-30, 2016.

CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson.; DIAS FILHO, José Maria. Analise Multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas, 2007.

COUTINHO, M. C. Sentidos do trabalho contemporâneo: as trajetórias identitárias como estratégia de investigação. Cadernos de psicologia social do trabalho. São Paulo, v. 12, n. 2, p. 189-202, 2009.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução de Luciana de Oliveira da Rocha. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DALMORO, M.; VIEIRA, K. M. Dilemas na construção de escalas tipo likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Revisa Gestão Organizacional, v. 6, edição especial, 2013.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2015.

FACHIN, Odilia. Fundamentos de metodologia. 5. ed. [rev]. São Paulo: Saraiva, 2006.

FERRAZ, F. C.; FRANCISCO, F. R.; OLIVEIRA, C. O. Estresse no ambiente de trabalho. Arch Health Invest, v. 3, n. 5, p. 1-8, 2014.

FERREIRA, Hádassa Dolores Bonilh. Assédio Moral nas relações de trabalho. 2. ed. Campinas: Russell editores, 2010.

GUIMARAES, L. A. M.; RIMOLI, A. O. Mobbing (assédio psicológico) no trabalho: uma síndrome psicossocial multidimensional. Psicologia teoria e pesquisa. Brasília, v. 22, n. 2, p. 183-192, 2006.

HAIR Jr. Joseph F.; BLACK, William C.; BABIN, Barry J.; ANDERSON, Rolph E.; TATHAM, Ronald L. Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HEIDEMANN, H. D.; TOLEDO, C. A.; BOECHAT, C. A. O trabalho no Brasil: traçado interpretativo de sua história de formação e de sua crítica. Estudos Avançados, v. 28, v. 81, 2014.

HELOANI, R. Assédio moral – um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE-eletrônica, v. 3, n. 1, 2004.

HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Bertrand Brasil, 2014.

HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Bertrand Brasil, 2015.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LIMA, C. Q. B. et al.. Assédio moral e violência no trabalho: caracterização em perícia judicial. Relato de experiência no setor bancário. Rev. bras. saúde. ocup. São Paulo, v. 39, n. 129, p. 101-110, 2014.

LIMONGI-FRANÇA, Ana Cristina; RODRIGUES, Avelino Luiz. Stresse e trabalho: uma abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, 2012.

MARTINS, M. C. F.; FERRAZ, A. M. S. Assédio moral nas organizações. In: SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias (org). Novas medidas do comportamento organizacional. Porto Alegre: Artmed, 2014.

MENDES, René. Patologia do trabalho. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2003.

REATTO, D. et al.. Prevalência da síndrome de burnout no setor bancário no município de Araçatuba. Arch. health. invest. V. 3, n. 2, p. 1-8, 2014.

PESTANA, Maria Helena; GAGEIRO, João Nunes. Análise de dados para ciências sociais: a complementariedade do SPSS, 4 ed. Lisboa: Sílabo, 2005.

REATTO, D.; SILVA, D. A.; ISIDORO, M. L.; RODRIGUES, N. T. Prevalência da síndrome de burnout no setor bancário no município de Araçatuba. Arch. health. Invest, v. 3, n. 2, p. 1-8, 2014.

REZENDE, L. O. A deteriorização das relações de poder dentro do organismo empresarial: uma análise do assédio moral no contrato de trabalho. 2006. 177 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Setor de Ciências Jurídicas, Universidade Federal do Paraná, 2006.

RIGOTTO, R. M.; MACIEL, R. H.; BORSOI, I. C. F. Produtividade, pressão e humilhação no trabalho: os trabalhadores e as novas fábricas de calçados no Ceará. Revista brasileira de saúde ocupacional, São Paulo, v. 35, n. 122, p. 217-228, 2010.

SILVA JÚNIOR, S. D.; COSTA, F. J. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas de likert e frase completion. PMKT, v. 15, p. 1-16, 2014.

SOARES, A. As origens do conceito de assédio moral no trabalho. Rev. bras. saúde ocup. São Paulo, v. 37, n. 126, p. 284-286, 2012.

SOARES, L. R.; VILLELA, W. V. O assédio mora na perspectiva de bancários. Rev. Bras. saúde ocup. São Paulo, v. 37, n. 137, p. 203-212, 2012.

SOBOLL, L. A. P. Assédio moral no trabalho. In: CATTANI, Antônio D.; HOLZMANN, Lorena (orgs). Dicionário de tecnologia e trabalho. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.

YIN, Roberto K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Downloads

Publicado

07-11-2021

Como Citar

AZEVEDO, I. de M.; BRITO, L. M. P. Mal-estar no trabalho: evidências em funcionários públicos e privados. Revista Expectativa, [S. l.], v. 20, n. 4, p. 1–18, 2021. DOI: 10.48075/revex.v20i4.24570. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/24570. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Seção - Gestão nas Organizações