FORMAS PLURAIS DE GOVERNANÇA: UMA ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES ENTRE LATICÍNIOS E PRODUTORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. Plural forms of governance: an analysis of transactions between dairy products and producer in west region of Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v25i1.25889

Palavras-chave:

Formas plurais, Estrutura de governança, Desenvolvimento Regional, ovinocultura leiteira

Resumo


A abordagem teórica das formas plurais das transações propõe a possibilidade de que as firmas utilizem duas ou mais formas de organização para a mesma transação. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi identificar a existência de formas plurais nas transações entre os laticínios e os fornecedores de leite na região Oeste do Paraná e analisar os determinantes para a escolha dessas estruturas alternativas de organização da transação. Para isso, foi realizado um estudo qualitativo de carácter descritivo por meio de entrevistas realizadas com integrantes do elo agroindústria, totalizando 12 laticínios entrevistados. Os principais resultados indicam que 66% dos laticínios analisados adotam formas plurais para coordenar suas transações de compra de leite. O que permitiu inferir que as firmas procuram estabelecer mais de uma forma de aquisição de leite, buscando minimizar a incerteza.

Biografia do Autor

Victoria Maria Ferreira Diniz, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestre em Desenvolvimento Regional e Agronegócio na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Possui graduação em Administração UDC/FGV. Técnica em Gestão de Agronegócios (Ensino Médio Integrado ao Técnico) pelo Instituto Federal do Tocantins. Professora na Universidade do Biopark- Parque Científico e Tecnológico de Biociência e professora conteudista na DTCOM. Atuou no Parque Tecnológico Itaipu - BR como analista de desenvolvimento territorial. Possui experiência profissional nas áreas de análise de dados e informações socioeconômicas, planejamento, desenvolvimento de projeto, articulação e organização de agendas estratégicas, além de desenvolvimento de conteúdo.

Carla Maria Schmidt, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Pós doutora pela FURB.  Doutora em Administração pela Universidade de São Paulo (FEA/USP). Docente do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio e do curso de Secretariado Executivo Trilíngue da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Líder go Grupo de Pesquisa GPSEB

Ivanete Daga Cielo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2015) e mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Possui graduação em Secretariado Executivo Bilíngue pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1994) e especialização em Desenvolvimento Gerencial, também pela UNIOESTE. É professora adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, atuando no curso de graduação em Secretariado Executivo e na pós-graduação lato sensu em Assessoria Executiva. Desenvolve pesquisas nas áreas de secretariado, gestão, agronegócio e empreendedorismo.

Referências

ADAPAR - Agência de Defesa Agropecuária do Paraná. Perfil de Classificação POA, Disponível em: https://www.reida.adapar.pr.gov.br/daeda/manterEmpresaPOA ClassificacaoPublico.do?action=consultar>. Acesso em 21 de jan. 2018.

BRASIL. Decreto nº 1.812 de 08 de fevereiro de 1996. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Leite UAT (UHT). Brasília, DF. Fev. 1996.

BRASIL. Decreto nº 9.013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ _ato2015-2018/2017/decreto/D9013.htm>. Acesso em 26 jan. 2018.

BREITENBACH, R. Estrutura, Conduta e Governança na Cadeia Produtiva do Leite: Um Estudo Multicaso no Rio Grande do Sul. 2012. 272 f. Tese (Doutorado) - Curso de Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria - RS, Santa Maria, 2012.

CAMPEÃO, P. Sistemas Locais de Produção Agroindustrial: um modelo para a competitividade. 2004. 230 f. Tese (Doutorado) - Engenharia de Produção. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

COASE, R. The nature of the firm. Economia. Nex Series, v.4, n. 16, p. 386-405, nov. de 1937.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Gado de Leite. (2018). Disponível em: https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/

FontesHTML/Leite/LeiteSudeste/racas.html >. Acesso em 01 de set. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa da Pecuária Municipal e Censo Agropecuário. Rio de Janeiro: SIDRA, 2016. Disponível em: . Acesso em 08 jan. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Trimestral do leite. Rio de Janeiro: SIDRA, 2020. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/leite/brasil>. Acesso em 11 nov. 2020.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPARDES). Base de dados. Disponível em:< www.ipardes.com.br>. Acessado em 20 de jan. 2018.

INTELACTUS – EMBRAPA. Plataforma de Inteligência Estratégica e Competitiva do Leite. Indicadores: Leite e Derivados. Ano 8, n. 73. Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, 2017.

INTELACTUS – EMBRAPA. Plataforma de Inteligência Estratégica e Competitiva do Leite. Indicadores: Leite e Derivados. Ano 9, n. 73. Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, 2018.

MAPA. SIF. Brasil. Disponível em: <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-animal/sif>. Acesso em 11 de nov. 2020.

MARTINS, P. do C. Políticas públicas e mercados deprimem o resultado do sistema agroindustrial do leite. Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora, Minas Gerais, 2004.

MÉNARD, C. Formas Plurais de Organização: Onde estamos? In: MÉNARD, C. (Org.). Economias das organizações: formas plurais e desafios. São Paulo: Atlas, 2014. Cap. 3. p. 52-70.

MÉNARD, C.; SAES, M. S. M.; SILVA; V. L. DOS S.; RAYNAUD, E (Org.). Economia das Organizações: formas plurais e desafios. São Paulo: Atlas, 2014.

MENDES, A. S. Estruturação e desafios do setor de produção de leite. In: CASTRO, M. C. D.; MARTINS, P. do C. (eds.) Organização da produção primária: um desafio para a indústria de laticínios. Juiz de Fora. Epamig/ILCT.1999. p.40-44.

SCHNAIDER, P. S. B.; RAYNAUD, E.; SAES, M. S. MA. O Fenômeno das Formas Plurais. In: MÉNARD, C. (Org.). Economias das organizações: formas plurais e desafios. São Paulo: Atlas, 2014. Cap. 2. p. 35-51

SILVEIRA, R. L. F. DA; CARRER, M. J.; CARVALHO, T. B.; FOSCACHES, C. A. L.; SAES, M. S. M. Formas Plurais de Governança: uma análise das transações de suprimento entre frigoríficos e pecuaristas. RESR, Piracicaba - SP, Vol. 52, Nº 04, p. 761-782, Out/Dez 2014.

SEAB/DERAL. Área e produção – Resumo Estadual. Disponível em: <http://www.agricultura.pr.gov.br/deral/safras>. Acesso em 11 de nov. 2020.

SOUZA, J. P. de; PEREIRA, L. B. A coordenação e a articulação na cadeia de laticínios do Paraná. In: PRADO, I. N. do; SOUZA, J. P. de (Org.). Cadeias produtivas estudos sobre competitividade e coordenação. 2. ed. Maringá: Eduem, 2009. Cap. 8. p. 173-192.

WILLIAMSON, O. E. Comparative Economic Organization: The Analysis of Discrete Structural Alternatives. Administrative Science Quarterly, Vol. 36, N° 2, p. 269-296, Jun. 1991.

ZANELLA, C. Determinantes da estrutura de governança na cooperativa central aurora alimentos (aves) - formas plurais e não plurais: uma análise a partir dos custos de transação, custos de mensuração e recursos estratégicos. 2017. 371 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

ZOCCAL, R. Mercado de lácteos no Brasil: produção, importação e exportação. (2017). Disponível em: <http://www.baldebranco.com.br/mercado-de-lacteos-no-brasil-producao-importacao-e-exportacao/>. Acesso em 20 de set. 2018.

Downloads

Publicado

07-01-2021

Como Citar

FERREIRA DINIZ, V. M.; SCHMIDT, C. M.; CIELO, I. D. FORMAS PLURAIS DE GOVERNANÇA: UMA ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES ENTRE LATICÍNIOS E PRODUTORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. Plural forms of governance: an analysis of transactions between dairy products and producer in west region of Paraná. Informe GEPEC, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 240–260, 2021. DOI: 10.48075/igepec.v25i1.25889. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/25889. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos