Variação e mudança em nomes de jogadores da Seleção Brasileira-TRAD-

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/odal.v2i3.26600

Palavras-chave:

Seleção Brasileira, jogadores de futebol, antropônimos

Resumo


 

Este artigo apresenta uma análise de antropônimos oficiais e não oficiais de jogadores da Seleção Brasileira do período compreendido entre 1958 e 2018. O marco teórico se apoia tanto em estudos de Onomástica, como Amaral (2011), Amaral e Seide (2020), Bajo Pérez (2002), Becker (2018), Fernández Leborans (1999), Urrutia e Sánchez (2009), Van Langendonck (2007), quanto em estudos sobre o futebol brasileiro, como Rodrigues (2010) e Caetano e Rodrigues (2009). Os dados analisados são os nomes das listas de jogadores convocados nesse período para os jogos mundiais. Esses nomes são classificados com o objetivo de observar a variação e a mudança ao longo do tempo. Os resultados indicam um predomínio de nomes oficiais em quase todos os anos, bem como uma maior tendência contemporânea às variantes mais formais dos nomes. 

 

 

Biografia do Autor

Vinícius Pereira de Souza Cruz, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Bacharel em língua espanhola com ênfase em estudos linguísticos.

Referências

Ainiala, T. (2016). Names in society. In: HOUGH, C. (Ed.). The Oxford handbook of names and naming ,371-381. Oxford: Oxford University Press.

Amaral, E. T. R. (2011). Contribuições para uma tipologia de antropônimos do português brasileiro. Alfa Revista de Linguística, 55 (2), 63-82.

Amaral, E. T. R.; Seide, M. S. (2020). Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher.

Bajo Pérez, E. (2002). La caracterización morfosintáctica del nombre propio. La Coruña: Toxosoutos.

Becker, L. (2018) Nombres de persona en español / PersonennamenimSpanischen: historia, situación actual y onomástica popular / Geschichte, aktuelleSituationundLaienonomastik. Berlim: Peter Lang.

Caetano, S. M. & Rodrigues, F. X. F. (2009). Modernização do futebol brasileiro e a transferência internacional de jogadores brasileiros. In: XIV Congresso Brasileiro de Sociologia, 28-31 jul. 2009, Rio de Janeiro (RJ). Anais… Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Sociologia, 2009. Recuperado em 29 de maio de 2020 de http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=207&Itemid=171.

Fernández Leborans, M. J. (1999). El nombre propio. In: I. Bosque & V. Demonte, (Dir.). Gramática descriptiva de la lengua española (77-128). Madrid: Espasa Calpe.

Gama, G. (2018). Todos os convocados do Brasil nas Copas: Curiosidades históricas, 18 mai. 2018. Imortais do futebol. Recuperado em 21 de dezembro de 2018 de https://www.imortaisdofutebol.com/2018/05/18/todos-os-convocados-do-brasil-nas-copas/.

Gary-prieur, M.-N. (2016). Le nom propre como catégorie de lagrammaire. Langue Française, 190 (2), 45-64.

Guimarães, M. (2019). Roque Júnior celebra trabalho na Ferroviária, mas não descarta voltar a ser técnico. Yahoo Esportes, 24 jun. 2019. Recuperado em 19 de junho de 2019 de https://esportes.yahoo.com/noticias/roque-junior-celebra-trabalho-na-ferroviaria-mas-nao-descartar-voltar-a-ser-tecnico-210208428.html.

Mcclure, P. (1981). Nicknames and petnames. Linguistic forms and social contexts. Nomina, 5, 63-76.

Nóbrega, B. (2018). Seleção brasileira pode conquistar o hexa sem exibir um único apelido, O Globo, Esportes, 29 jun. 2018. Recuperado em 25 de janeiro de 2019 de https://oglobo.globo.com/esportes/selecao-brasileira-pode-conquistar-hexa-sem-exibir-um-unico-apelido-22835918.

Perisse, G. (2016). O histórico e as formas de combate ao bullying no Brasil, Fundação Telefônica Vivo, Notícias, 2016. Recuperado em 18 de setembro de 2020 de http://fundacaotelefonicavivo.org.br/promenino/o-historico-e-as-formas-de-combate-ao-bullying-no-brasil/.

Ribeiro, F. (s. d.). Língua voraz. In: Museu da pelada, Recuperado em 24 de junho de 2019 de http://www.museudapelada.com/linguavoraz.

Rocha, F. (2017).Garrincha – O anjo driblador. Rádio Botafogo, 18 dez. 2017. Recuperado em 17 junho de 2019 de http://www.radiobotafogo.com.br/garrincha-o-anjo-driblador/.

Rodrigues, F. X. F. (2010). O fim do passe e as transferências de jogadores brasileiros em uma época de globalização. Sociologias, 24, 338-380.

Rodrigues, N. (2013). A pátria de chuteiras. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Seide, M. S. Petrulioné, L. (2020). Formação e usos de nomes hipocorísticos no português do Brasil e no idioma lituano. Alfa Revista de Linguística, 64, (1).

Terra. (2019). Cavani deseja o melhor a Neymar e quer permanecer no PSG. Campeonato francês, 25 jun. 2019. Recuperado em 19 de junho de 2019 de https://www.terra.com.br/esportes/futebol/internacional/franca/campeonato-frances/cavani-deseja-o-melhor-a-neymar-e-quer-permanecer-no-psg,f828edd1060205c9f7d9e90275b154eb6jztkfl8.html.

Urrutia Cárdenas, H.&Sánchez Gómez, F. (2009). El nombre propio en el español de América. In: C. Hernández Alonso (Ed.). Estudios lingüísticos del español hablado en América. v. III.1: El sintagma nominal - Parte I (57-306). Madrid: Visor Libros.

UOL. (2019). PSG confirma a saída de Daniel Alves e agradece pelos seus dois anos no clube. Uol esporte, 23 jun. 2019. Recuperado em 19 de junho de 2019 de https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2019/06/23/psg-confrma-saida-de-daniel-alves-e-agradece-pelos-seus-dois-anos-no-clube.htm.

Van Langendonck, W. (2007). Theory and typology of proper names. Berlin: Walter de Gruyter.

Downloads

Publicado

18-12-2020

Como Citar

PEREIRA DE SOUZA CRUZ, V.; ROQUE AMARAL, E. T. Variação e mudança em nomes de jogadores da Seleção Brasileira-TRAD-. Onomástica desde América Latina, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 199–212, 2020. DOI: 10.48075/odal.v2i3.26600. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/onomastica/article/view/26600. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Traduções