Proposta de definição interdisciplinar de nome próprio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.27562

Palavras-chave:

Nome próprio, Onomástica Cognitiva, Teoria da Relevância, Neurolinguística, Conhecimento Onomástico do Falante Ideal

Resumo


Este artigo apresenta uma proposta de definição interdisciplinar do conceito de nome próprio elaborada com base na Onomástica Cognitiva (SJÖBLOM, 2010), na Teoria da Relevância (SPERBER &  WILSON ,2001 [1995],  SEIDE & SCHULTZ, 2014), na Neurolinguística (VAN LANGENDONCK, 2007), e no conhecimento onomástico do falante ideal (SEIDE, 2021). Na primeira seção deste artigo, descrevem-se o objeto de estudo da Onomástica e as características da subárea da Onomástica em que se insere a pesquisa. Na segunda, são retomadas considerações a respeito dos nomes próprios feitas para sua definição como endereço conceitual. Na terceira seção, apresentam-se as descobertas neurolinguísticas e a descrição do conhecimento onomástico do falante ideal, as quais são integradas resultando na redefinição de nome próprio descrita ao final da terceira seção. Na quarta e última seção do artigo, são descritas algumas implicações dessa redefinição para os estudos onomásticos.    

Biografia do Autor

Márcia Sipavicius Seide, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brasil

Professor Associado

Referências

Amaral, E.T,R.&, Seide, M.S.S. (2020) Nomes próprios de pessoas: introdução à antropononímia brasileira.São Paulo: Blucher: 2020. https://doi.org/10.5151/9786555500011

Bréal, M. (1992 [1904]) Ensaio de Semântica.Trad.de F.Aída et.al.São Paulo:Pontes/Educ.

Carvalhinhos, P., & Santos, C. A. N. (2021). Os nomes próprios entre o logos e a práxis. Domínios De Lingu@gem, 15(2), 263-298. https://doi.org/10.14393/DL46-v15n2a2021-1

Cegalla, D. P. (1964) Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Coseriu, E. Linguistic Competence (1985). What Is It Really? The Modern Language Review, [S.l.], v. 80. n. 4, 25-35, 1985.

Cunha, C. F. Teorias Descritivistas do Nome Próprio (2010). Dissertatio, v.30, 185 – 195.

Cunha; C.; Cintra, L. (1985). Nova Gramática do Português Contemporâneo 2ª.ed.Rio de Janeiro 2a.ed.Ed.Nova Fronteira, 1985.

Cruse, D. A. (2000). Meaning in Language. An Introduction to Semantics and Pragmatics. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Cruz, V. S.& Amaral, E. T. (2021) Variação e mudança em nomes de jogadores da Seleção Brasileira. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho, 2021, 101-118. https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25720

Faraco, C. E.& Moura, F. M. de. (1990) Gramática. Fonética e Fonologia. Morfologia. Sintaxe. Estilística.4ª.ed., São Paulo: Ática.

Frai, H. (2021).Tendências religiosas na antroponímia rondonense. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho, 82 – 100. https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25725

Junges, B. (2021). Toponímia oficial e toponímia espontânea nos nomes de escola de Missal- PR Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho, 132 – 153.

https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25742

López-franco, Y. G. (2014) El semanticismo de los nombres proprios. Revista Trama, Marechal Cândido Rondon, PR, v.10, n. 20, 69-81.

Mill, S. (1984) Sistema de lógica dedutiva e indutiva e outros textos. In: BENTHAM, Jeremy. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação.3ª.ed. São Paulo: Abril Cultural, (Coleção Os Pensadores, v.34).

Neves, M. H. de M. (2000). Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP.

Ortega-Ojeda,G.(1994) La competência onomástica dialetal, a propósito del caso canário. Revista de Filologia de la Universidad de La Laguna, San Cristobal de La Laguna, Espanha,n.13, 291-307.

Pereira Júnior, F. A. (1924). Grammatica Pratica. Curitiba:Empreza Graphica Paranaense.

Ragauskaitė, A. Tendencies of formation of anthroponyms of rural residents in the oldest Lithuanian parish register of Joniškis dated 1599–1621.(2021). Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho, 2 - 29 . https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25781

Reunião de professores. Gramática. (1937). Lexicologia, Análise, Composição. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Reyes Contreras, M. (2021)Acercamiento onomástico al nombre de las bandas de Heavy Metal. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho, 59-81. https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.26062

Ruppenthal, D. S. (2021). Nomeação de escolas como homenagem à história local do município paranaense de Marechal Cândido Rondon. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro – junho:153-176. https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25692.

Seide, M. S. Prenomes cristãos: constituição, etimologia, motivação para a escolha antroponímica e conhecimento onomástico. REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM, [S.l.], v. 29, n. 1, p. 49-76, jan. 2021. ISSN 2237-2083. Disp.em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/16765>. Acesso em accessed: 06 junho 2021. doi:http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.29.1.49-76

Seide, M, S. Caracterização morfológica dos prenomes mais populares no Brasil nas décadas de 1930 a 2000: um estudo exploratório. Filologia e Linguística Portuguesa (no prelo)

Seide, M. S.& Saparas, M. (2020). Trends in Onomastic Research in Brazil. Linguistik Online, 101(1), 139–155. https://doi.org/10.13092/lo.101.6681

Seide, M. S.& Schultz, B. S. (2014). Linguagem, cognição e identidade: o estatuto dos nomes próprios. In: Ciências do Léxico. Lexicologia, Lexicografia. Terminologia. Vol. VII,Campo Grande: Editora UFMS, 2014:.149 - 166.

Sjöblom, P. A Cognitive Approach to the Semantics of Proper Names. (2006). Onoma v.41, 63-82, 2006 DOI 10.2143/ONO.41.0.2119611. Disp.em PEETERS ONLINE JOURNALS (peeters-leuven.be) Acesso em 08 março 2021.

Sperber, D. & Wilson, D. (2001). Relevância: comunicação e cognição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. ALVES, H.S. (trad).

Taibi-Maghraoui, Y.(2021) L’anthroponymie religieuse en Algérie. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro - junho:119-131.

https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25486

Van Langendock, W. (2007). Theory and typology of proper names. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2007.

Vescovi, J. P. (2021). Eventos históricos e os impactos antroponímicos: a influência da Era da hortelã na antroponímia de Palotina – PR. Onomástica Desde América Latina, n.3, v.2, janeiro – junho:30-58. https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.25970

Tunhas, P. (2001) Particular e universal: aspectos classificatórios, antropológicos, ontológicos e lógico-gramaticais. (2001). Discursos [Em linha]: língua, cultura e sociedade. ciclo de colóquios: uma tensão entre o global e o local. Lisboa: Universidade Aberta, 332-348.

Downloads

Publicado

25-08-2021

Como Citar

SIPAVICIUS SEIDE, M. Proposta de definição interdisciplinar de nome próprio. Onomástica desde América Latina, [S. l.], v. 2, n. 4, p. 70–94, 2021. DOI: 10.48075/odal.v0i0.27562. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/onomastica/article/view/27562. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos