SUBJETIVAÇÃO E RE (CONSTRUÇÃO) DE IDENTIDADE DA MULHER AFRO-AMERICANA EM EU SEI POR QUE O PÁSSARO CANTA NA GAIOLA (2018), DE MAYA ANGELOU: DO SILENCIAMENTO À ESCREVIVÊNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rlhm.v17i30.27834

Palavras-chave:

Subjetivação. (Re) construção de Identidade. Mulher afro-americana. Maya Angelou.

Resumo


O presente artigo objetiva apresentar uma análise interpretativa da obra autobiográfica Eu sei por que o pássaro canta na gaiola (2018), da escritora afro-americana Maya Angelou, publicada originalmente em 1969 sob o título I know why the bird sings in the cage. Nessa obra, as travessias – norte e sul – exerceram um papel fundamental na vida e na formação da narradora-personagem-protagonista Maya. É no correr desse ir e vir que ela conhece as trancas das gaiolas - os choques culturais que ressaltam o binômio hegemonia versus minoria, o racismo, o preconceito e o abuso. Entretanto, é nesse processo também que ela descobre um meio de resistir, ao perceber, por intermédio do silenciamento, a escrevivência[1] como uma possível chave para a libertação de todos os pássaros emudecidos ao longo da História. Por fim, para nortear a leitura, o trabalho se ancora nos pressupostos teóricos dos Estudos Culturais e Feministas.


[1] O termo “escrevivência”, que nos valemos neste estudo, foi cunhado pela escritora brasileira Conceição Evaristo e traz consigo, conforme ela própria pontua em uma entrevista: a imagem de “todo um processo histórico que as africanas e suas descendentes escravizadas no Brasil passaram. [...] E essa escrevivência, ela vai partir, ela toma como mote de criação justamente a vivência. Ou a vivência do ponto de vista pessoal mesmo, ou a vivência do ponto de vista coletivo (EVARISTO, 2017).

Biografia do Autor

Erica Antonia Caetano, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutoranda em Estudos Literários pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (PLE/UEM). Mestre em Letras, área de concentração em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina (2013). Especialista em Gestão Escolar: supervisão e orientação (2020); História, arte e cultura (2018); Educação Especial e Inclusiva (2013); Língua Estrangeira Moderna: inglês e espanhol (2011); O Ensino de Língua Portuguesa com ênfase em Artes (2010). Graduada em Letras Anglo-Portuguesas (2008), História (2018) e Pedagogia (2019). É professora pedagoga e de língua inglesa na Prefeitura de Maringá/Pr e tutora a distância do curso de Letras EaD/UEM.

Downloads

Publicado

01-02-2022

Como Citar

CAETANO, E. A. SUBJETIVAÇÃO E RE (CONSTRUÇÃO) DE IDENTIDADE DA MULHER AFRO-AMERICANA EM EU SEI POR QUE O PÁSSARO CANTA NA GAIOLA (2018), DE MAYA ANGELOU: DO SILENCIAMENTO À ESCREVIVÊNCIA. Revista de Literatura, História e Memória, [S. l.], v. 17, n. 30, p. 108–127, 2022. DOI: 10.48075/rlhm.v17i30.27834. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/article/view/27834. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ: FEMINISMOS E LITERATURAS