ARTÍFICES BAIANOS EM UM MOMENTO DE CRISE E O MUTUALISMO EM DEBATE (1852)

Autores

  • Maria das Graças de Andrade Leal

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v20i2.15796

Resumo


O mutualismo estabelecido na Sociedade dos Artífices, fundada na Bahia em 1832, se constitui em experiência representativa aos estudos da organização dos trabalhadores urbanos no período de mudanças político-institucionais nos primeiros 30 anos do Brasil independente (1822-1852). Enquanto espaço de sociabilidade que inaugurou uma forma de associação “liberal”, neste artigo estão apresentados aspectos do seu funcionamento, da organização e do cotidiano social e político explicitados durante uma crise política interna instalada em 1852, quando os artífices passaram a disputar posições sobre os destinos da Sociedade. As atas elaboradas durante os conflitos estão priorizadas por revelarem a qualidade dos embates e a intencionalidade dos protagonistas em materializar na escrita concepções e ações culminadas na vitória do “partido” “moderado” e na expulsão do “exaltado”.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

LEAL, M. das G. de A. ARTÍFICES BAIANOS EM UM MOMENTO DE CRISE E O MUTUALISMO EM DEBATE (1852). Tempos Históricos, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 318–342, 2000. DOI: 10.36449/rth.v20i2.15796. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/15796. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos