EVASÃO E PERMANÊNCIA NA REFORMA AGRÁRIA: UM ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Autores

  • Gabriel Souza BASTOS Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i1.20552

Palavras-chave:

Assentamento, reforma agrária, agricultura familiar, análise de políticas públicas, questão agrária

Resumo


O presente artigo analisa por quais motivos os assentados do assentamento norte-fluminense Francisco Julião permanecem ou abandonam seus lotes, desistindo de serem beneficiados pelo Programa Nacional de Reforma Agrária. Para isso, damos uma especial atenção para os desdobramentos diretos de políticas públicas na vida dos assentados, nas relações de grupos familiares, indivíduos e atores presentes dentro do assentamento. Através de uma metodologia de observação participante ao longo dos anos de 2013 e 2014, constatamos a existência de dificuldades ocasionadas pela falta ou atraso de políticas públicas, abrindo margens para casos de evasão. Por outro lado, observamos relações de reciprocidade que operam como estratégias de permanência, a fim de contornar os problemas ocasionados pela ausência de políticas públicas.

Biografia do Autor

Gabriel Souza BASTOS, Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ)

Gabriel Souza Bastos é doutorando, bolsista CAPES pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ) e professor de Sociologia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Email: gabrielsoubastos@gmail.com

Downloads

Publicado

26-11-2019

Como Citar

BASTOS, G. S. EVASÃO E PERMANÊNCIA NA REFORMA AGRÁRIA: UM ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 690–716, 2019. DOI: 10.36449/rth.v23i1.20552. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/20552. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos