TRABALHO RURAL, CONFLITOS DE TERRA E IMPUNIDADE EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA (PA): O QUE OS GOVERNOS MILITARES SABIAM?

Autores

  • Thiago Broni MESQUITA Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v22i2.20671

Palavras-chave:

Conflitos de terra, Pará, Serviço Nacional de Informações, Impunidade.

Resumo


Aborda o processo de ocupação de terras no sul e sudeste do Pará, especificamente na região de Conceição do Araguaia, durante a primeira metade da década de 1970. Demonstra a partir de documentações produzidas pelo Serviço Nacional de Informações (SNI), como o governo possuía informações privilegiadas sobre os conflitos de terra no estado. Sobre os conflitos, aponta para o fato de que, naquele período, os governos militares sabiam que havia um descompasso no processo de implementação da lei na região, o que privilegiava a atuação de “tipos regionais” como o empresário e o fazendeiro que, ao estabelecer um aparato violento e opressor, impunham seus interesses, beneficiando-se do desaparelhamento das policias e da ausência do Poder Judiciário para se manter impunes em relação aos crimes praticados.

 

Palavras-chave: Conflitos de terra; Pará; Serviço Nacional de Informações; Impunidade.

Biografia do Autor

Thiago Broni MESQUITA, Universidade Federal do Pará

Professor DI Nível 01 da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará. Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2018), Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Pará (2012), Bacharel e Licenciado em História pela Universidade Federal do Pará (2009). Tem experiência de pesquisa nas áreas de História Política, História Agrária, História da Amazônia, história do sul e sudeste do Pará, Ensino de História, Teoria Política, Teoria Democrática, Instituições Políticas e Políticas Públicas.

Downloads

Publicado

02-04-2019

Como Citar

MESQUITA, T. B. TRABALHO RURAL, CONFLITOS DE TERRA E IMPUNIDADE EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA (PA): O QUE OS GOVERNOS MILITARES SABIAM?. Tempos Históricos, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 202–228, 2019. DOI: 10.36449/rth.v22i2.20671. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/20671. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático