GARRAUX E OS IRMÃOS TEIXEIRA: OS LIVREIROS-EDITORES DA PAULICEIA FINISSECULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i2.21206

Palavras-chave:

Anatole Louis Garraux, irmãos Teixeira, mercado livreiro, São Paulo finissecular

Resumo


Considerando que a figura do editor e livreiro influencia o processo de construção do saber, o fito deste artigo é perquirir o modo como os livreiros-editores Anatole Louis Garraux (1833-1904) e os irmãos Antônio Maria (1857-1936) e José Joaquim Teixeira (?-1929) contribuíram com a produção e circulação do livro na cidade de São Paulo de fins do século XIX. Para cumprir esse objetivo, vamos investigar a relação entre o mercado livreiro e a capital paulistana das últimas décadas do Oitocentos. Em seguida, abordar os princípios basilares que regem o trabalho de um livreiro-editor; e, assim, versar sobre a maneira como o francês Garraux e os portugueses irmãos Teixeira promoveram a edição, produção e circulação de livros, a fim de demonstrar a importância desses personagens para a consolidação do mercado livreiro e para a edificação de espaços sociais de fomento e difusão de bens culturais na Pauliceia finissecular.

Biografia do Autor

Hugo QUINTA, Universidade Estadual Paulista (UNESP, campus de Assis) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Mestre em Estudos Latino-Americanos pela UNILA, doutorando em História pela UNESP (campus de Assis) e bolsista FAPESP.

Referências

BARBUY, H. Comércio francês e cultura material em São Paulo na segunda metade do século XIX. In: VIDAL, L; LUCA, T. R. de (org.). Franceses no Brasil: séculos XIX-XX. São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 193-208.

BOURROUL, H. Livraria Teixeira atrai literatos desde 1876. O Estado de S. Paulo. Seu Bairro. Centro. São Paulo, 06 de out. 1994, p. 126.

BRAGANÇA, A. Sobre o editor: notas para a sua história. Em Questão, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 219-237, jul./dez. 2005.

CHARTIER, R. Publicar Cervantes. In: A mão do autor e a mente do editor. Tradução George Schlesinger. São Paulo: Editora Unesp, 2014, p. 259-269.

DARNTON, R. Os intermediários esquecidos da literatura. In: O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 132-145.

DEAECTO, M. M. B. L. Garnier e A. L. Garraux: destinos individuais e movimentos e conjunto nas relações editoriais entre França e Brasil no século XIX. In: VIDAL, L.; LUCA, T. R. de (org.). Franceses no Brasil: séculos XIX-XX. São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 421-438.

DEAECTO, M. M. O Império dos livros: instituições e práticas de Leitura na São Paulo Oitocentista. São Paulo: EDUSP, 2011.

EL FAR, A. Ao gosto do povo: as edições baratíssimas de finais do século XIX. BRAGANÇA, A; ABREU, M (Orgs). Impresso no Brasil: dois séculos de livros brasileiros. São Paulo: Biblioteca Nacional e EDUNESP, 2010. pp. 89-100.

FORUM. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 21 de fev. 1903, p. 2.

FORUM. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 25 de mar. 1903, p. 2.

HALLEWELL, L. O crescimento da atividade editorial em São Paulo. In: O livro no Brasil: sua história. São Paulo: EDUSP, 2012. pp. 333-344.

JORGE AMADO EM S. PAULO. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 15 de jun. 1966, p. 8.

JUNCTA COMMERCIAL. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 01 de nov. 1900, p. 4.

JUNCTA COMMERCIAL. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 31 de dez. 1902, p. 3.

KOSHIYAMA, A. M. Monteiro Lobato: intelectual, empresário, editor. São Paulo: Edusp / ComArte, 2006.

MINDLIN, J. E. Marcos da cultura brasileira. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 23 de fev. de 1991. p. 87.

MOLLIER, J. Y. O surgimento da cultura midiática na Belle Époque: a instalação de estruturas de divulgação de massa. In: A leitura e seu público no mundo contemporâneo: ensaios de História Cultural. Tradução Elisa Nazarian. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, p. 175-190.

MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 de fev. 1901. Edição Nacional, p. 2.

NOTAS. O Estado de S. Paulo. Caderno 2. São Paulo, 24 de set. 1988, p. 74.

PERDOMO, R. P. Los juristas como intelectuales y el nacimiento de los estados naciones en América Latina. In: ALTAMIRANO, C. (Dir.). História de los intelectuales en América Latina. Tomo I. Buenos Aires: Katz, 2008. p.168-183.

PINA, P. S. de A. Uma história de Saltimbancos: os irmãos Teixeira, o comércio e a edição de livros em São Paulo, entre 1876 e 1929. Dissertação (mestrado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

RAZZINI, M. de P. G. São Paulo: cidade dos livros escolares. In: BRAGANÇA, A.; ABREU, M. (Orgs). Impresso no Brasil: dois séculos de livros brasileiros. São Paulo: Biblioteca Nacional e EDUNESP, 2010. pp. 101-120.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SERÁ HOJE A ENTREGA DOS “JABUTI”. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 24 de nov. 1965, p. 10.

SORÁ, G. Brasilianas: José Olympio e a gênese do mercado editorial brasileiro. São Paulo: Edusp / ComArte, 2010.

TORRES, M. Postos de gasolina vão ter Livraria Teixeira. Tradição e modernidade num só lugar. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 08 de mai. 2000. Negócios Estratégia empresarial. Edição Nacional, p. b12.

TRIBUNAES. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 02 de jun. 1905, p. 2.

Downloads

Publicado

14-04-2020

Como Citar

QUINTA, H. GARRAUX E OS IRMÃOS TEIXEIRA: OS LIVREIROS-EDITORES DA PAULICEIA FINISSECULAR. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 289–315, 2020. DOI: 10.36449/rth.v23i2.21206. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/21206. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos