A REPRESSÃO POLÍTICA AOS CABOS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA APÓS O GOLPE DE 1964

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i2.21710

Palavras-chave:

1. Golpe de 1964, 2. Ditadura militar, 3. Repressão política, 4. Militares cassados.

Resumo


O artigo analisa a lógica da política repressiva aplicada a cabos da Força Aérea Brasileira após o golpe de 1964. Considerando que as mobilizações das praças militares foram vistas pelo grupo que chegou ao poder como uma ameaça à continuidade das relações de dominação, o objetivo é demonstrar como alterações de fundo político em normas internas que reformularam os processos de engajamentos, reengajamentos e promoções dos cabos da Força Aérea Brasileira pretendiam eliminar da vida política e militar tanto os suspeitos de subversão quanto aqueles contra os contra os quais não havia necessariamente uma acusação formal, mas eram vistos como inimigos em potencial, além de procurar evitar o ressurgimento de movimentos políticos ou apenas reivindicatórios das praças militares.

Biografia do Autor

Cláudio Beserra de VASCONCELOS, Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro - SEEDUC/RJ

Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010) e mestre em História pelo mesmo programa (2004). Possui graduação e licenciatura plena em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Pesquisador do Laboratório de Estudos Sobre Militares na Política e Subeditor da Revista Militares e Política. Atuando principalmente nos seguintes temas: Militares e política, ditadura, política repressiva do regime ditatorial, legitimidade do regime ditatorial, memória sobre a ditadura, poder legislativo, imprensa e história do tempo presente. Atualmente, atuo como professor do ensino médio junto à Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro. Entre 2016 e 2017, atuei como professor substituto junto à Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Campus Seropédica), ministrando as seguintes disciplinas: Formação Histórica do Brasil II (Brasil República: 1889-dias atuais); História do Brasil IV (Brasil República: 1930-dias atuais); História da América III (século XX-XXI); Ditadura Militar Brasileira: história e historiografia.

Referências

ABÓS, A. La racionalidad del terror. In: El poder carnivoro. Buenos Aires: Editorial Legasa, s.d., p. 77-110.

ALMEIDA, A. da S. Todo o leme a bombordo: marinheiros e ditadura civil-militar no Brasil – da rebelião de 1964 à anistia. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012.

ALVES, M. H. M. Estado e oposição no Brasil, 1964-1984. Trad.: Clóvis Marques. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

BLOCH, M. Introdução à História. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1997.

BOBBIO, N. et alii (coord.). Dicionário de política. Trad.: João Ferreira; Rev.Geral: João Ferreira e Luís Guerreiro Pinto Cacais. 1l.ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad.: Fernando Tomaz. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014, v. 2. 416 p. – (Relatório da Comissão Nacional da Verdade; v. 2)

CAPITANI, A. B. A rebelião dos marinheiros. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1997.

CARVALHO, J. M. Vargas e os militares: aprendiz de feiticeiro. In: D’ARAÚJO, M. C. (org.). As instituições brasileiras da Era Vargas. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 55-81.

CLUBE MILITAR. O Clube Militar de 87 a 78 (1887 a 1978): Resumo histórico dos 91 anos de existência. Rio de Janeiro: Clube Militar, s.d.

CONTADOR, V. Modelo econômico e projeto de nação-potência: Brasil 1964-1985. 2007. 375f. Tese (Doutorado em História Econômica), Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CUNHA, P. R. da. Um olhar à esquerda: a utopia tenentista na construção do pensamento marxista de Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: Fapesp, 2002.

CUNHA, P. R. da. Militares e militância: uma relação dialeticamente conflituosa. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

DREIFUSS, R. A. 1964: a conquista do Estado – ação política, poder e golpe de classe. Trad.: Else Ribeiro Pires Vieira (superv.). Petrópolis: Vozes, 1981.

DURKHEIM, E.. Solidariedade mecânica ou por similitudes. In: DURKHEIM, E. Da divisão do trabalho social. Trad.: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 39-83.

ELIAS, N. O processo civilizador: uma história dos costumes. Trad.: Ruy Jungmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994, v. 1.

FRAGOSO, A. Introdução ao estudo da guerra revolucionária. Presidência da República, Estado-Maior das Forças Armadas, Escola Superior de Guerra, B-85-59, 1959.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. Trad.: Federico Carotti. 1. reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

LAMARÃO. S. Revolta dos Sargento”. In: ABREU, Alzira Alves et alii. (coord.s.) Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro – Pós 1930. 2ª ed. rev. e atualiz. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2001. 1 CD-ROM.

LEVI, G. Usos da biografia. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. de M., (org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996, p. 167-182.

MARTINS FILHO, J. R.. A influência doutrinária francesa sobre os militares brasileiros nos anos de 1960. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 67, jun. 2008, p. 39-50.

MOROSINI, L. Mais deveres que direitos: os sargentos e a luta pela cidadania negada (1930-1960). 1998. 203f. Dissertação (Mestrado em História Social), Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

PARUCKER, P. E. C. Praças em pé de guerra: o movimento político dos subalternos militares no Brasil (1961-1964) e a revolta dos sargentos de Brasília. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

PEIXOTO, A. C.. O Clube Militar e os confrontos no seio das Forças Armadas (1945-1964). In: ROUQUIÉ, A. (coord.). Os partidos militares no Brasil. Trad.: Octávio Alves Velho. Rio de Janeiro: Record, s.d. p. 71-113.

PEREIRA, A. W. Ditadura e repressão: o autoritarismo e o estado de direito no Brasil, no Chile e na Argentina. Trad.: Patrícia de Queiroz Carvalho Zimbres. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

PIÑEIRO, T. L. Crise e resistência no escravismo colonial: os últimos anos da escravidão na província do Rio de Janeiro. Passo Fundo: UPF, 2002.

PINTO, B. Guerra revolucionária. Rio de Janeiro: Forense, 1964.

POULANTZAS, N. O Estado, o poder, o socialismo. Trad.: Rita Lima. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

RODRIGUES, F. L. Vozes do mar: o movimento dos marinheiros e o golpe de 1964. São Paulo: Cortez, 2004.

ROUQUIÉ, A. Os processos políticos nos partidos militares do Brasil: estratégia de pesquisa e dinâmica institucional. In: ROUQUIÉ, A. (coord.). Os partidos militares no Brasil. Trad.: Octávio Alves Velho. Rio de Janeiro: Record, s.d., p. 9-26.

SILVA, H. A vez e a voz dos vencidos: militares x militares. Petrópolis: Vozes, 1988.

THOMPSON, E. P. Senhores e caçadores: a origem da lei negra. 2. ed. Trad.: Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

VASCONCELOS, C. B. Repressão a militares na ditadura pós-1964. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2018.

Downloads

Publicado

14-04-2020

Como Citar

DE VASCONCELOS, C. B. A REPRESSÃO POLÍTICA AOS CABOS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA APÓS O GOLPE DE 1964. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 470–507, 2020. DOI: 10.36449/rth.v23i2.21710. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/21710. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos