CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO: O CASO DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA

Autores

  • Maria Medrado NASCIMENTO Instituto Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i1.22254

Palavras-chave:

conflitos socioambientais, comunidades nativas e tradicionais, Parque Nacional, Chapada Diamantina

Resumo


O presente artigo discorre sobre os conflitos socioambientais decorrentes das sobreposições territoriais entre Unidades de Conservação de Proteção Integral e territórios tradicionalmente ocupados por populações nativas. Por meio de um estudo de caso sobre o Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD), busca compreender a relação entre as vinte quatro comunidades localizadas no seu interior e a gestão do Parque, identificando as convergências, divergências, conflitos, negociações e formas de cooperação entre práticas de vida tradicionais e os objetivos de uma área de proteção ambiental. O principal dilema encontrado se refere à possibilidade ou não da existência de uma política conciliatória entre interesses sociais e ambientais no PNCD, procurando compreender a forma que essa política vem sendo operada e identificando as suas limitações e potencialidades.

Biografia do Autor

Maria Medrado NASCIMENTO, Instituto Federal da Bahia

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (2005), mestrado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2008) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (2018). Atualmente é professora substituta do Instituto Federal da Bahia, campus Seabra. Tem experiência no campo das ciências sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: comunidades, conflitos socioambientais, movimentos sociais, valores, participação e sustentabilidade.

Downloads

Publicado

26-11-2019

Como Citar

NASCIMENTO, M. M. CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO: O CASO DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 299–327, 2019. DOI: 10.36449/rth.v23i1.22254. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/22254. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático