CULTIVAR, POVOAR, CIVILIZAR: OS LIMITES E AS POSSIBILIDADES DO USO DA TERRA NA PROVÍNCIA DO AMAZONAS SEGUNDO TENREIRO ARANHA, 1852

Autores

  • Paulo de Oliveira NASCIMENTO IFAM/Campus Eirunepé.

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i1.22258

Palavras-chave:

Província do Amazonas, Agricultura, Colonização, Civilização.

Resumo


Criada em 1850 e instalada em 1852, a Província do Amazonas teve como primeiro presidente João Baptista de Figueiredo Tenreiro Aranha, que a administrou entre janeiro e abril daquele ano e procedeu à compilação do habitual Relatório de Presidente de Província. Objetivamos, neste trabalho, compreender as projeções de Tenreiro Aranha para a Província, problematizando a percepção daquele governante acerca dos limites e das possibilidades provinciais, especialmente em relação à Agricultura e ao uso da terra. Percebemos o desejo de integração provincial no projeto de desenvolvimento nacional, sendo a Agricultura e a fixação do homem na terra um dos pilares no qual aquele projeto deveria estar assentado, o que permitiria a ocupação, o povoamento, o desenvolvimento e a civilização da Província do Amazonas.

Biografia do Autor

Paulo de Oliveira NASCIMENTO, IFAM/Campus Eirunepé.

Graduado em História pela UEPB (2012). Especialista em História e Cultura do Brasil pela UNINASSAU (2018). Mestre em História pela UFCG (2014). Doutorando em História pela UFPE (2019). Professor EBTT do IFAM/Campus Eirunepé, ministrando aulas de História e História Agrária desde 2015. Suas áreas de interesse são (a) Ensino de História, (b) Fontes Históricas da Amazônia, (c) Província do Amazonas, (d) História Agrária, (e) Lei de Terras.

Downloads

Publicado

26-11-2019

Como Citar

NASCIMENTO, P. de O. CULTIVAR, POVOAR, CIVILIZAR: OS LIMITES E AS POSSIBILIDADES DO USO DA TERRA NA PROVÍNCIA DO AMAZONAS SEGUNDO TENREIRO ARANHA, 1852. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 23–45, 2019. DOI: 10.36449/rth.v23i1.22258. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/22258. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático