OS “DOCES BÁRBAROS”: DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS ÀS PRÁTICAS SOCIAIS DOS GUANÁ NO PANTANAL NORTE (1870-1930)

Autores

  • Ana Carolina da Silva BORGES Universidade Federal de Mato Grosso-Professora efetiva

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i1.22265

Palavras-chave:

Guaná, “representações sociais”, sociedade civil.

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir as imagens textuais construídas sobre os grupos indígenas Guaná, presentes na região norte do bioma Pantanal do Brasil. Para além disso, pretendo discutir a inserção destes índios, em mundos agrários e urbanos, condizentes à processos de ocupações territoriais oficiais, operado, sobretudo, entre os anos de 1870 à 1930. Contudo, embora os documentos busquem colocá-los como moradores inertes e já “docilizados”, foi possível perceber suas estratégias, alianças e negociações montadas com outras sociedades de “silvícolas” e demais grupos rurais constituídos nas áreas a onde foram alocados. Para perceber e compreender estas configurações, necessário se fez utilizar um conjunto de documentos, à saber: Relatórios, Notícias e relatos de viagens feitos por autores nacionais e estrangeiros.

Biografia do Autor

Ana Carolina da Silva BORGES, Universidade Federal de Mato Grosso-Professora efetiva

Professora Doutora em História (2016), pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), onde foi contemplada ao longo de sua pesquisa pela Bolsa de Doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Desenvolveu Pós-Doutorado em História da África pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), e da mesma forma atuou como Bolsista CAPES do PNPD (Programa Nacional de Pós-Doutorado), da corrente Instituição (2018). Atualmente é professora efetiva do Departamento de História da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis.

Downloads

Publicado

26-11-2019

Como Citar

BORGES, A. C. da S. OS “DOCES BÁRBAROS”: DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS ÀS PRÁTICAS SOCIAIS DOS GUANÁ NO PANTANAL NORTE (1870-1930). Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 72–97, 2019. DOI: 10.36449/rth.v23i1.22265. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/22265. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático