PARANISMO: ENTRE A IDEOLOGIA E O IMAGINÁRIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v23i2.23600

Palavras-chave:

paranismo, regionalismo, ideologia, imaginário

Resumo


A análise proposta neste artigo se debruça sobre os contrastes entre dois estudos marcantes dedicados ao movimento paranista: Regionalismo e antirregionalismo no Paraná (1978), do sociólogo Ruben Cesar Keinert, e Paranismo: o Paraná inventado; cultura e imaginário no Paraná da I República (1997), do historiador Luís Fernando Lopes Pereira. Enquanto o primeiro se apoia numa análise estrutural para desnudar o que aponta como um caráter ideológico do movimento, o segundo, vinculando-se aos estudos culturais, destaca as origens do movimento no imaginário social de sua época. No esforço de expor os pressupostos que orientaram abordagens tão distintas sobre o mesmo tema, analisamos as filiações teóricas dos autores e as fontes por eles privilegiadas, assim como os recortes temporais, os procedimentos metodológicos e suas respectivas modalidades de escrita da história.

Biografia do Autor

Fabricio SOUZA

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo.

Referências

ANDERSON, P. A crise da crise do marxismo: introdução a um debate contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BACZKO, B. A imaginação social. In: LEACH, E et alii. Anthropos-homem. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985.

BEGA, M. T. S. Letras e políticas no Paraná: simbolistas e anticlericais na República Velha. Curitiba: Editora UFPR, 2013.

BOURDIEU, P.; CHARTIER, R. O sociólogo e o historiador. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BURKE, P. História e teoria social. São Paulo: Editora Unesp, 2002.

BURKE, P. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CALVINO, I. Seis propostas para o novo milênio: lições americanas. Tradução de Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CAMARGO, G. L. V. de. Paranismo: arte, ideologia e relações sociais no Paraná. 1853 – 1953. Tese de doutorado em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2007.

CAPELATO, M. H. R. Estado Novo: novas histórias. In: FREITAS, M. C. de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 2001.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CASTRO, C. P. de. Luiz Pereira e sua circunstância: entrevista com José de Souza Martins. Tempo social, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 211-276, jun. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702010000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17/07/2019.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2014.

CERTEAU, M. de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Editora, 1982.

CHARTIER, R. A história hoje: dúvidas, desafios, propostas. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 97-113, 1994.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CUCHÉ, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru: Edusc, 1999.

DARNTON, R. O beijo de Lamourete: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1980.

DARNTON, R. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

DARNTON, R. O iluminismo como negócio: história da publicação da “Enciclopédia”, 1775-1800. São Paulo: Companhia, das Letras, 1996.

DUDEQUE, I. J. T. Espirais de madeira: uma história da arquitetura de Curitiba. São Paulo: Studio Nobel: Fapesp, 2001.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

GAY, P. O estilo na história. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GERTZ, R. Estado Novo: um inventário historiográfico. In: SILVA, J. L. W. da (org.). O feixe e o prisma: uma revisão do Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HARLAN, D. A história intelectual e o retorno da narrativa. In: RAGO, M.; GIMENES, R. A. de O. (org.). Narrar o passado, repensar a história. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

KEINERT, R. C. Regionalismo e antirregionalismo no Paraná. Dissertação de mestrado em Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1978.

KOSELLECK, R. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-146, 1992. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1945>. Acesso em: 17/07/2019.

LE GOFF, J. O imaginário medieval. Lisboa: Editora Estampa, 1994.

OLIVEIRA, R. C. de. O silêncio dos vencedores: genealogia, classe dominante e Estado no Paraná. Curitiba: Moinho do Verbo, 2001.

PANDOLFI, D. (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1999.

PEREIRA, L. F. L. O espetáculo dos maquinismos modernos: Curitiba na virada do século XIX ao XX. São Paulo: Blucher Acadêmico, 2009.

PEREIRA, L. F. L. Paranismo: o Paraná inventado; cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1997.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1991.

STONE, L. O retorno da narrativa: reflexões sobre uma nova velha história. In: NOVAIS, F. A.; SILVA, R. F. da (org.). Nova história em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

THOMPSON, E. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

TRINDADE, E. M. de C. Paranidade ou paranismo? A construção de uma identidade regional. Revista da SBPH, Curitiba, n. 13, p. 65-74, 1997.

VASCONCELOS, J. A. Quem tem medo de teoria? A ameaça do pós-modernismo na historiografia americana. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2005.

Downloads

Publicado

14-04-2020

Como Citar

SOUZA, F. PARANISMO: ENTRE A IDEOLOGIA E O IMAGINÁRIO. Tempos Históricos, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 158–181, 2020. DOI: 10.36449/rth.v23i2.23600. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/23600. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático