Libertos e escravos no contexto militar do início do período imperial, Província de Santa Catarina

Autores

  • Ânderson Marcelo Schmitt

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v25i1.24667

Resumo


O presente artigo discute a presença de homens considerados “de cor” nas forças armadas no início do período imperial brasileiro, a partir do caso da província de Santa Catarina. As categorias utilizadas para definir a cor dos sujeitos e classificá-los por hierarquias sociais eram relevantes quando se pensava a criação e manutenção de corpos militares. Argumenta-se que as forças armadas, e os períodos de conflito, em especial, aumentavam as possibilidades para que libertos ou escravos buscassem ampliar seu grau de liberdade. Partindo dos parâmetros da Nova História Militar, utiliza-se documentação trocada entre as autoridades responsáveis por pensar o recrutamento.

Biografia do Autor

Ânderson Marcelo Schmitt

Doutorando em História pela Universidade de Santa Catarina (UFSC), com período Sanduíche na University of California, Los Angeles. Bolsista da Coordenação Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Downloads

Publicado

08-07-2021

Como Citar

SCHMITT, Ânderson M. Libertos e escravos no contexto militar do início do período imperial, Província de Santa Catarina. Tempos Históricos, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 323–347, 2021. DOI: 10.36449/rth.v25i1.24667. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/24667. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos