Redes sociais das/nas migrações tecidas em contexto de vida e trabalho de domésticas migrantes

Autores

  • Guélmer Júnior Almeida Faria Universidade Federal de Viçosa (UFV)

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v24i2.24901

Palavras-chave:

Trabalho Doméstico, Migrações Rurais-Urbanas, Mulheres, Redes Sociais.

Resumo


O artigo trata das relações migratórias em um contexto de vida e trabalho e de como se manifestam as experiências de mulheres de comunidades rurais do norte de Minas Gerais para atuar no trabalho doméstico nas casas das famílias de classe média e alta nos grandes centros urbanos. Em termos metodológicos, o artigo apresenta uma pesquisa qualitativa realizada com entrevistas em profundidade. Ao considerar que a migração deixa de ter um peso e uma leitura economicista para uma leitura dos seus sujeitos e das suas escolhas, a migração deixou de ser vista apenas como uma escolha racional de indivíduos sozinhos. Privilegiamos estratégias de reprodução da vida dessas trabalhadoras domésticas migrantes, que estão calcadas em redes sociais das/nas migrações. A análise revela os mecanismos usados pelas domésticas migrantes e de suas famílias para superar dificuldades na mobilidade pelo trabalho, utilizando as redes sociais que acionam laços de família, pertencimento, confiança, cooperação e identidade.

Biografia do Autor

Guélmer Júnior Almeida Faria, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Bolsista do Programa Nacional de Pós Doutorado (PNPD/CAPES) do Programa de Pós Graduação em Economia Doméstica (PPGED) da Universidade Federal de Viçosa. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (2019), tendo realizado Estágio de Doutoramento Sanduíche na Universidade de Coimbra (Portugal), no Centro de Estudos Sociais (CES) sob a orientação da profª Drª Sílvia Portugal, Mestre em Desenvolvimento Social (Área de concentração: Desigualdades Sociais e Políticas Públicas) pela Universidade Estadual de Montes Claros (2014), Bacharel em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (2008) e Licenciado em Sociologia pela Faculdade de Educação Paulistana (2019). É avaliador de projeto de Extensão cadastrado no Sistema Unificado de Administração Pública - SUAP/IFNMG (2018). Membro do corpo editorial dos Periódicos: Revista Espaço Acadêmico (UEM) e Revista Desenvolvimento em Questão (UNIJUÍ), colaborando como Parecerista ad hoc: Revista Elo - Diálogos em Extensão (UFV), Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação (UNESP), Revista Holos (UFRN), REMHU - Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Cadecs: Caderno Eletrônico de Ciências Sociais (UFES), Revista Sociedade em Debate (UCPel), Revista OIKOS: Família e Sociedade (UFV), Revista Estudos de Sociologia (UNESP) e Revista Lecturas: Educación Física y Deportes (Argentina). Atuou como Especialista Colaborador em projetos de Extensão Universitária, Professor Convidado no Instituto de Ciências Agrárias da UFMG (ICA/UFMG) na disciplina de Extensão Rural e Professor dos Cursos de Especialização da Unidade de Ensino e Aprendizado de Viçosa (UNESAV)/Faculdade de Educação da Serra (FASE): Instrumentalidade do Serviço Social, Gestão de Pessoas e Criminologia, Direitos Humanos e Segurança Pública, lecionando as disciplinas de: Metodologia da Pesquisa, Técnica de Elaboração de Monografia e Estudos Empíricos da Violência e Criminalidade. Tem experiência na área de Desenvolvimento Social, atuando principalmente nos seguintes temas: metodologia da pesquisa, trabalho doméstico, gênero, sociologia das migrações, redes sociais, análise de redes sociais, extensão rural, extensão universitária.

Referências

BAPTISTA, Patrícia Gonçalves. Imigração e trabalho doméstico: o caso Português. 2011. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional) – Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Cooperação Internacional, Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade Técnica de Lisboa, 2011.

BOURDIEU, Pierre. O capital social – notas provisórias. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (orgs.). Escritos de educação. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

CHANEY, Elsa; GARCIA CASTRO, Mary. Introduction: A new Field for research and action. In: CHANEY, Elsa; GARCIA CASTRO, Mary. (orgs.). Muchachas no more: household workers in Latin America and the caribean. Philadelphia: Temple University Press, 1989.

CUNHA, Tiago Augusto da. Conte Comigo. A migração abrindo portas. Migração Interna, Redes de Suporte e Vulnerabilidade Social na Região Metropolitana de Campinas. 2014. Tese (Doutorado em Demografia) – Programa de Pós-graduação em Demografia, Universidade Estadual de Campinas, 2014.

DECIMO, Francesca. Living the city the urban integration of Somali women in Naples. In: FERREIRA, V.; TAVARES, T.; PORTUGAL, S. (orgs.). Shifiting bonds, shifting bounds: women, mobility and citizenship in Europe. Oeiras: Celta Editora, 1998. p. 253-259.

DENZIN, Nornam; LINCOLN, Yvonna. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

FAZITO, Dimitri. A Análise de Redes Sociais (ARS) e a Migração: mito e realidade. In: XIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 2002, Ouro Preto. Anais ... Ouro Preto: ABEP, 2002.

HOCHSCHILD, Arlie Russel. The commercialization of intimate life: notes from home and work. Berkeley: The University of California Press, 2003.

HSIAO-HUNG, Pai. An Ethnography of Global Labor Migration. Feminist Review, n. 77, p. 129-131, London, 2004.

LEÃO, Leilyane Souza. Entre a Bahia e São Paulo: narrativa feminina sobre migração e trabalho doméstico. Revista da ABET, João Pessoa, v. 16, n. 2, p. 90-99, jul./dez. de 2017.

MONTICELLI, Thays Almeida. “Administrando o lar”: a percepção de uma “cultura doméstica” e os desafios do trabalho doméstico remunerado. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 11, Florianópolis. Anais ... Florianópolis, 2017.

MOTTA, Alda Britto da. Visão de mundo da empregada doméstica: um estudo de caso. 1977. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Pós-graduação em Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, 1977.

NETO, Maria Inácia D’ávila; NAZARETH, Juliana. Redes sociais na experiência migratória de mulheres nordestinas. 2012. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/315.%20redes%20sociais%20na%20experi%CAncia%20migrat%D3ria%20de%20mulheres%20nordestinas.pdf. Acesso em: 23 out. 2012.

NUNES, Cristiane Girard Ferreira. Identidade e cultura: reflexões sobre uma categoria sócio profissional. In: NUNES, Brasilmar Ferreira et al. Brasília: a construção do cotidiano. Brasília: Paralelo 15, 1997. p.179-206.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Global estimates on migrant workers. 2016. Disponível em: http://ilo.org/global/topics/labour-migration/publications/WCMS_436343/lang--en/index.htm/ Acesso em: 12 dez. 2018.

PEIXOTO, João et al. Mulheres Migrantes: Percursos laborais e modos de inserção socioeconômica das imigrantes em Portugal. Lisboa, relatório final de projeto, 2006.

PEREIRA, Elisabete Maria Magalhães. Mulheres migrantes de São Tomé e Príncipe em Portugal – Um estudo de caso no Bairro Vale de Chícharos. 2006. Dissertação (Mestrado em Relações Interculturais) – Programa de Pós-graduação em Relações Interculturais, Universidade Aberta, Lisboa, 2006.

PISCITELLI, Adriana. Corporalidade em confronto: brasileiras na indústria do sexo na Espanha. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 64, p. 17-32, 2007.

PORTES, Alejandro. Migrações internacionais origens, tipos e modos de incorporação. Oeiras: Celta Editora, 1999.

SANTOS, Rosana de Jesus dos. Corpos domesticados: a violência de gênero no cotidiano das domésticas em Montes Claros-1959 a 1983. 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

_________________________. Trabalho doméstico remunerado e migração feminina: as construções de gênero na cultura dos lavradores do norte de Minas Gerais. Fato & Versões - Revista de História, Coxim, v. 7, n. 13, p. 1-16, outubro de 2015.

SERTÓRIO, Lidiane Bruno; SANTOS, Mírian. O. Relações entre trabalho, educação, gênero e migração. 2010. Disponível em: http://www.estudosdotrabalho.org/anais-vii-7-seminario-trabalho-ret-2010/Lidiane_Bruno_Sertorio_e_Miriam_de_Oliveira_Santos_relacoes_entre_trabalho_educacao_genero_e_migracao.pdf. Acesso em: 23 mar. 2012.

TEIXEIRA, Marlene Lenise Martins. A integração das mulheres imigrantes cabo-verdianas no mercado de trabalho em Portugal – um estudo na área de Lisboa. 2014. Dissertação (Mestrado em Política Social) – Programa de Pós-graduação em Política Social, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa, 2014.

TRUZZI, O. Redes em processos migratórios. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 199-218, jan./ jun. 2008.

WEISS, Robert Stuart. Learning from strangers: the art and method of qualitative interview studies. New York: The Free Press, 1994.

WENTZEL, Marina. O que faz o Brasil ter a maior população de domésticas do mundo. BBC News, São Paulo, 26 fev. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43120953. Acesso em: 10 dez. 2018.

Downloads

Publicado

28-12-2020

Como Citar

FARIA, G. J. A. Redes sociais das/nas migrações tecidas em contexto de vida e trabalho de domésticas migrantes. Tempos Históricos, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 14–52, 2020. DOI: 10.36449/rth.v24i2.24901. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/24901. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático