“Deslocados da seca" na Hospedaria Getúlio Vargas: experiências e trajetórias de migração para diversas paragens (Ceará, década de 1950)

Autores

  • Renata Felipe Monteiro

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v24i1.25120

Resumo


A trajetória dos migrantes na Hospedaria Getúlio Vargas (Fortaleza, Ceará) teve início na década de 1940, quando diversos acordos foram concretizados entre Brasil e EUA no contexto da Segunda Guerra Mundial para a extração da borracha na Amazônia. Assim, foram construídos pousos e hospedarias nas regiões Norte e Nordeste, que seriam responsáveis por abrigar e encaminhar os trabalhadores nordestinos para o trabalho na região amazônica. A partir da década de 1950, a Hospedaria Getúlio Vargas tornou-se o principal centro de referência para a população migrante cearense, que almejava ir para outras regiões do país. Baseado em uma variedade de fontes (jornais, entrevistas, dentre outros), objetivamos entender a trajetória de alguns trabalhadores nordestinos que passaram pela Hospedaria Getúlio Vargas na década de 1950.

Downloads

Publicado

23-10-2020

Como Citar

MONTEIRO, R. F. “Deslocados da seca" na Hospedaria Getúlio Vargas: experiências e trajetórias de migração para diversas paragens (Ceará, década de 1950). Tempos Históricos, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 18–35, 2020. DOI: 10.36449/rth.v24i1.25120. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/25120. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático