Imigração, agricultura e trabalho precário: a atuação da SOLIM – Solidariedade Imigrante em Beja baixo Alentejo. Entrevista com Alberto Matos

Autores

  • Ricardo Luiz Sapia de Campos UFG - Universidade Federal de Goiás
  • Ema Claudia Ribeiro Pires Universidade de Évora

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v24i2.25128

Palavras-chave:

territórios rurais, exploração do trabalho, imigração

Resumo


Na entrevista Alberto Matos, das princiapis figuras atuante sobre a luta dos imigrantes em Portugal, fala da sua trajetória e militância na SOLIM – Solidariedade Imigrante, associação que em pouco mais de uma década reune gente de mais de cem países, da criação da associação e forma de organização e funcionamento. Apresenta o fluxo imigratório que alimenta a necessidade de mão-de-obra barata das empresas agrícolas, particularmente na agricultura açentejana, no sul de Portugal. Disseca como acontece a formação de “mafias de interesse” que se favorecem na exploração de mão-de-obra ilegal. Discute o funcionamento da “industria da imigração”, consoante a chamada “hipocrisia europeia”, qualificada como a necessidade e não reconhecimento do imigrante e do trabalho. Apresenta os tramites atuais e procedimentos institucionais-legais com relação a principal bandeira de luta da Solim que é o reconhecimento de cidadania ou da sua propria condição de imigrante como ação primeira de dar visibilidade para um problema maior de exploração do trabalho

Biografia do Autor

Ricardo Luiz Sapia de Campos, UFG - Universidade Federal de Goiás

Sociólogo, doutorado, pós doutorado, professor da Faculdade de CIências Sociais. cep 74030020

Ema Claudia Ribeiro Pires, Universidade de Évora

Professora de Antropologia - Universidade de Évora

Referências

MEZZADRA, S. Direito de Fuga, Lisboa: Edições UNIPOP, 2012.

MAIAKÓVSKI, W. Poemas, São Paulo: Ed. Perspectiva, 1997.

Downloads

Publicado

28-12-2020

Como Citar

SAPIA DE CAMPOS, R. L.; RIBEIRO PIRES, E. C. Imigração, agricultura e trabalho precário: a atuação da SOLIM – Solidariedade Imigrante em Beja baixo Alentejo. Entrevista com Alberto Matos. Tempos Históricos, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 199–214, 2020. DOI: 10.36449/rth.v24i2.25128. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/25128. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Entrevista