Ser mulher e migrante: debates sobre divisão sexual do trabalho nos fluxos migratórios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v24i2.25176

Palavras-chave:

DIVISÃO SEXUAL, MIGRAÇÃO, TRABALHO

Resumo


O presente artigo busca analisar, a partir das discussões sobre divisão sexual do trabalho, a participação das mulheres migrantes no mercado de trabalho. O arcabouço teórico-analítico foi construído a partir de uma revisão bibliográfica que permeia os debates de gênero e mobilidade humana. Considera-se que no contexto atual a intensificação das migrações internacionais, ocasionada pelos efeitos da mundialização do capital, vem carregada do aumento da exploração da mão de obra migrante, sobretudo das mulheres racializadas. Estas estão concentradas nos trabalhos mais precários e informais, permeados por violação de direitos, racismo e discriminação e estão consequentemente, mais empobrecidas. Este cenário é justificado pela divisão sexual do trabalho como forma de acumulação capitalista

Biografia do Autor

Ivna de Oliveira Nunes, Universidade de Federal de Mato Grosso


Bacharel em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) no ano de 2009. Especialista em Serviço Social,Políticas Públicas, Direitos Sociais pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará em 2013. Docente do Curso de Serviço Social na Universidade Federal de Mato Grosso. 

Doutoranda no Programa de Política Social - UnB

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7. ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2000.

_________. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999.

BABIC, B. Migraçoes Sul-Sul. In: Dicionário Crítico de Migrações Internacionais. Brasília: Editora Universidade de Brasilía, 2017.

BAENINGER, Rosana. et al. Imigração Haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

_________. Migração Feminina: um debate teórico e metodológico no âmbito dos estudos de gênero. XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. São Paulo, 2012.

_________. Migrações Sul-Sul. In BAENINGER, Rosana; BÓGUS, Lúcia Machado; MOREIRA, Júlia Bertino et alii (orgs.). Migrações Sul-Sul. 2ª edição. Campinas SP: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018.

_________; PERES, R. Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, SP, v. 34, n. 1, p. 119-144, 2017.

BASSO, Pietro; PEROCCO, Fabio. Gli immigrati in Europa. In: BASSO, Pietro; 18 PEROCCO, Fabio (Orgs.). Gli immigrati in Europa: Diseguaglianze, razzismo, lotte. Milano: FrancoAngeli, 2010.

CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antonio Tadeu; TONHATI, Tânia (Orgs.). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2014.

_______. [et al], (org). Dicionário Crítico de Migrações Internacionais. Brasília: Editora Universidade de Brasilía, 2017.

CEPAL. Panorama Social da América Latina 2004. Disponível em: http://www.eclac.cl/cgi-in/getProd.asp?xml=/publicaciones/xml. Acesso em: 23 mar. 2013.

COGO, Denise Maria.; SOUZA, Maria Badet. Guia das migrações transnacionais e diversidade cultural para comunicadores – Migrantes no Brasil. Bellaterra: Instituto Humaitas; Unisinos; Instituto de la Comunicación de la UAB, 2013. (Coleção: Guias De Diversidade Cultural Para Comunicadores).

DUTRA, Delia da S. M. Mulheres migrantes peruanas em Brasília. O trabalho doméstico e a produção do espaço na cidade. Brasília: CSEM; Sorocaba, SP: OJM, 2013.

_______. Mulheres, migrantes, trabalhadoras: a segregação no mercado de trabalho. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Brasília, DF, v. 21, n. 40, p. 177-193, jun. 2013b. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/remhu/v21n40/11.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2019 .

_______. et. al. Os estrangeiros no mercado de trabalho formal brasileiro: perfil

geral na série 2011, 2012 e 2013. In. CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antonio

Tadeu; TONHATI, Tânia (Orgs.). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho

brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2015.

p.74-135.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. 2 ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010

HANDERSON, J.; JOSEPH, R.-M. As relações de gênero, de classe e de raça: mulheres migrantes haitianas na França e no Brasil. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, Brasília, DF, v. 9, n. 2, p. 1-33, 2015. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/ index.php/repam/article/view/17266>. Acesso em: 19 jul. 2019.

HARVEY, David. A Produção Capitalista do Espaço. 2. ed. São Paulo: Annablume Editora, 2006.

________. O Novo Imperialismo. 8. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

HIRATA, Helena. Globalização e Divisão Sexual do Trabalho. Cadernos Pagu, pp. 139-136, 2001.

_________. Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo: Boitempo, 2004.

HIRATA, H.; LÊ DOARÉ, H. Os paradoxos da globalização. Cadernos Sempreviva. Sempreviva Organização Feminista (SOF). São Paulo, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. ________. Censo Demográfico 2010. Resultados Gerais da Amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: EMÍLIO, M.; GODINHO, T.; NOBRE, M.; TEIXEIRA, M. (Orgs.). Trabalho e cidadania ativa para as mulheres: desafios para as Políticas Públicas. SP: Coordenadoria Especial da Mulher, 2003. 152p. (Coleção Caderno da Coordenadoria Especial da Mulher, 3).

______. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena [et al.] (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

______. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. In: Novos Estudos CEBRAP, n. 86, março 2010.

MAROKVASIC, M. L’a mobilité transnacionale comme resource: le cas de migrants de l’Europe de l’Est. Culture et Conclts, 32, 2002.

NOGUEIRA, Cláudia Mazzei. O trabalho duplicado: a divisão sexual no trabalho e na reprodução – Um estudo das trabalhadoras do telemarketing. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ORGANIZAÇÃO Internacional do Trabalho – OIT. Cidadania, direitos humanos e tráfico de pessoas: manual para as promotoras legais populares. Brasília, 2009.

__________.Uma Aliança Global contra o Trabalho Forçado. Brasília, 2005.

ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas – ONU. A armadilha do gênero; mulher violência e pobreza. Relatório da ONU. Anistia Internacional, 2009.

_________. Relatório da Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, 2005.

PEDONE, Cláudia. Cadenas y redes migratorias: propuesta metodológica para el análisis diacrónico-temporal de los procesos migratórios. UNED – Empiria: Revista de Metodología de Ciencias Sociales. n. 19, p. 101-132, 2017.

SANTOS, Cleusa. Migração e trabalho. Desvendando o enigma da superpopulação. In: Anais XIV Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social realizado de 30 de novembro a 04 de dezembro de 2014, em Natal/RN.

SASSEN, Saskia. Contrageografía de la globalización. Madrid: Traficantes de Sueños. 2003.

____________. Vers une analyse alternative de la mondialisation: les circuits de survie et leursacteurs. Cahiers du Genre, n. 40, 2006, p. 67-89.

___________. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. 1.ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra. 2016

VILLEN, Patricia. Imigração na modernização dependente: “braços civilizatórios” e a atual configuração polarizada, Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2015.

__________. Mulheres na imigração qualificada e de baixa qualificação: uma modalidade da divisão sexual do trabalho no Brasil. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO, 7., 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: ALAST, 2013.Disponível em: <http://docplayer.com.br/16411893-Mulheres-na-imigracao-qualificada-e-de-baixa-qualificacao-uma-modalidade-dadivisao-sexual-do-trabalho-no-brasil.html#show_full_text>. Acesso em: 29 jun. 2019.

YANNOULAS, Silvia. Feminização ou feminilização? Apontamentos em torno de uma categoria. Temporalis, Brasilia, ano 11, n.22, p.271-292, jul./dez. 2011.

Downloads

Publicado

28-12-2020

Como Citar

NUNES, I. de O. Ser mulher e migrante: debates sobre divisão sexual do trabalho nos fluxos migratórios. Tempos Históricos, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 76–95, 2020. DOI: 10.36449/rth.v24i2.25176. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/25176. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático