Os usos de agrotóxicos “contrabandeados” na fronteira Brasil-Paraguai e as experiências dos pequenos produtores rurais no Paraná (1960-2018)

Autores

  • Cíntia Fiorotti Lima UNILA e SEED/PR

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v25i2.25302

Palavras-chave:

Trabalhadores, Contrabando de Agrotóxicos, Fronteiras, Pequenos Produtores rurais.

Resumo


O objetivo da pesquisa apresentada foi analisar: as pressões sofridas pelos trabalhadores e/ou pequenos produtores rurais que utilizam em seus cultivos agrícolas agrotóxicos “contrabandeados” do Paraguai para o Brasil; e, por outro lado, as alternativas desenvolvidas por aqueles que resistem ao envolvimento neste circuito para conseguirem permanecer com o trabalho no campo, por meio da produção orgânica ou agroecológica. Para tanto, são trazidas algumas informações sobre a circulação de agrotóxico nos limites territoriais entre os Departamentos de Canindeyu e Alto Paraná no Paraguai e a região Oeste do Paraná no Brasil. Esses dados foram levantados a partir de produções bibliográficas sobre o tema; matérias veiculadas em jornais locais; sentenças judiciais; entrevistas com produtores rurais e com agentes do Estado responsáveis pela fiscalização e/ou apreensões. A pesquisa filia-se a área de conhecimento da História Social.

Biografia do Autor

Cíntia Fiorotti Lima, UNILA e SEED/PR

Graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado em História. UNIOESTE e UFU.  

Referências

BOSI, Antônio (Org.). Catálogo da Coleção dos Autos Criminais da Comarca de Toledo (1954-1980). 1. ed. Cascavel: EDUNIOESTE, 2003.

CARDIN, Eric Gustavo. (2017). O Fazer-se Estado nas Fronteiras: um estudo das relações entre trabalhadores fronteiriços e agentes estatais nos limites do Brasil. En: Anais do VI Simpósio de Pesquisa Estado e Poder: Estado, Poder e Revoluções. M. C. Rondon: UNIOESTE.

CATTA, Luiz Eduardo Pena. O cotidiano de uma fronteira, a perversidade da modernidade. Dissertação de mestrado em história. Florianópolis: UFSC, 1994.

DARC, Aparecida. (2009) Formação econômica e social de Foz do Iguaçu: um estudo sobre as memórias constitutivas da cidade (1970-2008). São Paulo: USP. Tese (Doutorado em história econômica).

DORFMAN, Adriana, FRANÇA, Arthur Borba Colen, SOARES, Guilherme de Oliveira. (2014). Marcos legais e redes de contrabando de agrotóxicos: análise escalar a partir da fronteira Brasil-Uruguai. En: Terra Plural, v. 8, n. 1. Ponta Grossa. Pp. 37-53.

__________, Adriana, REKOWSKY, Carmen Janete. (2011) Geografia do contrabando de agrotóxicos na fronteira gaúcha. En: Anais do XIII Encuentro de Geógrafos de América Latina, Costa Rica.

FIOROTTI, Cíntia. (2015). História de trabalhadores e do trabalho na fronteira Brasil-Paraguai (1960 - 2015). Tese (Doutorado em História). UFU: Uberlândia.

MENEZES, Alfredo da Mota. A herança de Stroessner: Brasil-Paraguai, 1955-1980. Campinas, SP: Papirus, 1987.

IDESF, Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras. O contrabando de defensivos agrícolas no Brasil. Foz do Iguaçu, 2019.

ROJAS VILLAGRA, Luis. Actores del agronegócio em Paraguay. Asunción: Diakonia; Base-is, 2009.

SENTENÇA PÚBLICA. Operação Quileros. Disponibilizada ao público em agosto de 2018.

Downloads

Publicado

09-11-2021

Como Citar

FIOROTTI LIMA, C. Os usos de agrotóxicos “contrabandeados” na fronteira Brasil-Paraguai e as experiências dos pequenos produtores rurais no Paraná (1960-2018). Tempos Históricos, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 129–161, 2021. DOI: 10.36449/rth.v25i2.25302. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/25302. Acesso em: 27 nov. 2021.