Reforma Agrária e Assentamentos Rurais em Mato Grosso do Sul

Autores

  • Fabiano Coelho Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD https://orcid.org/0000-0003-0294-5174
  • André Alexandre Ricco de Freitas Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD; Superintendência Regional do INCRA no Estado da Paraíba.

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v25i2.25839

Palavras-chave:

Mato Grosso do Sul, Reforma Agrária, Assentamentos Rurais.

Resumo


Na história do Brasil, um país que se constituiu emaranhado ao latifúndio, terra é sinônimo de poder. A luta pela terra no tempo presente carrega tensões e marcas de uma história inacabada, em que presente/passado e passado/presente se misturam e se ressignificam, todavia, a histórica concentração de terras permanece. A reforma agrária no estado de Mato Grosso do Sul (MS) e no Brasil se processa, em especial, a partir das lutas empreendidas pelos movimentos sociais rurais e das contradições da política agrícola nacional. A criação de assentamento rurais constitui o principal instrumento da política de reforma agrária. Nesse sentido, o artigo reflete sobre a criação de assentamentos rurais no estado de MS, entre os anos de 1984 e 2013. Além das bibliografias sobre o tema, utilizou-se dados do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), por meio do Sistema de Informações de Projetos de Reforma Agrária (SIPRA). A pesquisa soma-se a outros investimentos em compreender a complexidade dos caminhos e descaminhos da luta pela terra e na criação de assentamentos rurais no Brasil, a partir do estado de MS.

Biografia do Autor

Fabiano Coelho, Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD

Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados (PPGH/UFGD). Docente dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em História da FCH/UFGD. Possui trabalhos publicados em livros, periódicos e anais de eventos científicos. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: movimentos sociais, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), reforma agrária, luta pela/na terra, história e representações, história e/da imprensa, história cultural, humor gráfico e história, história e/do tempo presente.

André Alexandre Ricco de Freitas, Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD; Superintendência Regional do INCRA no Estado da Paraíba.

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Possui graduação em Letras - hab. tradutor & intérprete pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/2004) e graduação em Direito pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/2003), fez Pós-Graduação Lato Senso (Especialização) em metodologia do Ensino Superior pela Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN/2005). Atualmente é Advogado e Analista em Reforma Agrária na Superintendência Regional do INCRA no Estado da Paraíba.

Referências

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12 fev. 2019.

CASTILHO, Alceu Luís. Partido da Terra: como os políticos conquistam o território brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

COELHO, Fabiano. Entre o Bem e o Mal: representações do MST sobre os presidentes FHC e Lula (1995-2010). 2014b. 440f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

COELHO, Fabiano. Descaso com a Reforma Agrária e Repressão Contra os Movimentos Sociais: representações do MST sobre Collor (1990- 1992). Antíteses. Londrina/PR, v. 10, n. 19, p. 311-331, jan./jun. 2017.

COELHO, Fabiano; CAMACHO, Rodrigo Simão (Orgs.). O Campo no Brasil Contemporâneo: do governo FHC aos governos Petistas (Questão Agrária e Reforma Agrária – Vol. I). Curitiba: CRV, 2018.

COSME, Claudemir M. Os Governos do PT e os Descaminhos com a Questão Agrária no Brasil: contribuições para um diálogo polêmico, necessário e imprescindível à classe trabalhadora. PEGADA - A Revista da Geografia do Trabalho. Presidente Prudente/SP, v. 17, n. 1, p. 312-343, jul. 2016.

DELGADO, Guilherme Costa. A Questão Agrária e o Agronegócio no Brasil. In: CARTER, Miguel (Org.). Combatendo a Desigualdade Social: o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010. p. 81-112.

DELGADO, Guilherme Costa. Questão Agrária Hoje. In: COELHO, Fabiano; CAMACHO, Rodrigo Simão (Orgs.). O Campo no Brasil Contemporâneo: do governo FHC aos governos Petistas (Questão Agrária e Reforma Agrária – Vol. I). Curitiba: CRV, 2018. p. 17-28.

FELICIANO, Carlos A. Movimento Camponês Rebelde: a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

FERNANDES, B. M. Reforma Agrária no Governo Lula: a esperança. Revista Nera. Presidente Prudente, 2003.

FERNANDES, Bernardo M.; STEDILE, João P. Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. 3ª Ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2005.

FERNANDES, Bernardo M. A Reforma Agrária que o Governo Lula fez e a que pode ser feita. In: SADER, Emir (Org.). Lula e Dilma: 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 2013. p. 191-205.

FREITAS, André A. R. de. A reforma agrária em Mato Grosso do Sul: os dilemas e possibilidades nos assentamentos rurais a partir de dados do INCRA. Dissertação (Mestrado em Sociologia). 2020. 187f. Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

FORMIGA, Humberto M. de Sá. A Constituição Federal de 1988 e a Questão Cartográfica. Brasília: Senado, 2004.

ROUSSO, Henry. A Última Catástrofe: a história, o presente e o contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2016.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 5ª Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LERRER, Debora F. Trajetórias de Militantes Sulistas: nacionalização e modernidade do MST. 2008. 197 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

MARTINS, José de Souza. A Política do Brasil: lúmpen e místico. São Paulo: Contexto, 2011.

MARTINS, José de S. O cativeiro da terra. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MENEGAT, Alzira S. No Coração do Pantanal: assentados na lama e na areia, as contradições entre os projetos do estado e dos assentados no assentamento Taquaral - MS, Dourados: Ed. UFGD, 2009.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. O Direito à Terra no Brasil. A gestação do conflito (1795/1824), São Paulo: Alameda, 2009.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. Nas Fronteiras do Poder: conflito e direito à terra no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Público do estado do Rio de Janeiro/Vício de Leitura, 1998.

NARDOQUE, Sedeval; MELO, Danilo S.; KUDLAVICZ, Mieceslau Questão Agrária em Mato Grosso do Sul e seus desdobramentos pós-golpe de 2016. Revista OKARA. João Pessoa/PB, v. 12, n.2 p. 624-648, 2018.

OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Camponeses, indígenas e quilombolas em luta no campo: a barbaria aumenta. In: Conflitos no Campo. (Coordenação: Antônio Canuto, Cássia Regina da Silva Luz, Thiago Valentin Pinto Andrade), CPT Nacional: Brasil, 2015.

SILVA, José Graziano da. A Modernização Dolorosa. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

SILVA, Ligia Osório. Terras Devolutas e Latifúndio: efeitos da lei de 1850. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 2008.

SILVA, José Graziano da. Caindo por Terra: crises da reforma agrária na Nova República. São Paulo: Busca Vida, 1987.

VARELLA, Flávia Florentino et al. (Orgs.). Tempo Presente & Usos do Passado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

Downloads

Publicado

09-11-2021

Como Citar

COELHO, F.; FREITAS, A. A. R. de. Reforma Agrária e Assentamentos Rurais em Mato Grosso do Sul. Tempos Históricos, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 73–98, 2021. DOI: 10.36449/rth.v25i2.25839. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/25839. Acesso em: 27 nov. 2021.