Nas páginas d’O Reformador: imprensa, aborto e doutrina espírita kardecista (Brasil, 1995 – 2009)

Autores

  • Sílvia Maria Fávero Arend

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v14i2.4932

Resumo


O debate sobre o aborto no Brasil, na última década do século XX, adquiriu grande importância.  Este processo se acirrou devido a um conjunto de fatores vigentes na sociedade brasileira no período: a emergência das novas tecnologias reprodutivas; a despenalização desta prática em outros países católicos; a adoção de religiões Neopentecostais, que defendem o planejamento familiar, por um número significativo de pessoas das camadas populares no país; e a presença de pessoas oriundas do Movimento Feminista pró-aborto na administração federal. A imprensa de cunho religioso exerceu importante papel neste contexto. Nesta pesquisa analisamos o discurso enunciado no periódico mensal publicado, entre 1995 e 2009, pela Federação Espírita Brasileira, denominado, O Reformador. Buscamos identificar quais são as “vozes autorizadas” que pautam o conjunto de matérias jornalísticas sobre a prática do aborto.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

AREND, S. M. F. Nas páginas d’O Reformador: imprensa, aborto e doutrina espírita kardecista (Brasil, 1995 – 2009). Tempos Históricos, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 91–105, 2000. DOI: 10.36449/rth.v14i2.4932. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/4932. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História e Mídia