O PAPEL DO ESTADO E DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA CONSTRUÇÃO DE CADEIAS CURTAS AGROALIMENTARES NO BRASIL

Marcio Gazolla

Resumo

O objetivo do trabalho é analisar os desafios e perspectivas para a construção social de cadeias curtas agroalimentares no Brasil, no sentido de compreender os papéis que caberiam as políticas públicas e ao Estado neste tema, mas também refletir as ações dos atores sociais, especialmente dos agricultores familiares e dos consumidores engajados no planejamento rural e regional destes circuitos curtos de produção-consumo. Do lado do Estado, a principal ação é incorporar em sua agenda a discussão das cadeias curtas, atualmente quase inexistente e, dentro disso, apoiar as iniciativas em várias frentes (por exemplo, legislação alimentar, regulação dos mercados e criação de novas políticas públicas, integração/qualificação de políticas já existentes). Do lado dos atores sociais, especialmente os agricultores e consumidores, caberiam alguns papéis estruturantes nestes mercados juntamente como o Estado, por exemplo, conquistar novos consumidores, aumentar a produção e circulação de alimentos mais sustentáveis e saudáveis, construir boas práticas de governança, gerar valores sociais e éticos co-compartilhados nas experiências, inovar em formas de produção e organização social, dentre outros aspectos.

Palavras-chave

cadeias curtas agroalimentares; mercados; políticas públicas; desenvolvimento rural e regional.

Texto completo:

PDF