MARKET SHARE DE EMPRESAS DOMÉSTICAS NA CADEIA PRODUTIVA DA CARNE BOVINA NO BRASIL Market share hold by domestic companies in the beef supply chain in Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v25i1.25709

Palavras-chave:

Agronegócio, Desenvolvimento Regional, Agroindustria, Cadeia Produtiva

Resumo


Neste trabalho, objetiva-se identificar a participação do capital brasileiro nos principais segmentos da cadeia produtiva da carne bovina produzida no Brasil a partir de dados das empresas que atuam no setor. O estudo revela que 65,6% da cadeia produtiva da carne são controlados por grupos brasileiros. A participação doméstica se destaca nos segmentos de frigoríficos (com 75,7% de market share), de produção em campo (99,3%), de equipamentos (100%) e de sementes para pasto (95,0%). O aumento do market share de grupos domésticos ao longo dos segmentos agroindustriais que melhor remuneram capital e trabalho é uma alternativa para superar a atual abordagem de crescimento do agronegócio pela expansão para novas fronteiras agrícolas com altos custos sociais e ambientais.

Biografia do Autor

Gabriel da Silva Medina, Universidade de Brasília

Professor da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB) a partir de julho de 2019. Pós-doutor em Políticas Ambientais pelo Imperial College London (Reino Unido) (2014) com bolsa da Capes. Doutor em Ciências Naturais pela Universidade de Freiburg (Alemanha) (2008), revalidado como doutor em Ciências Agrárias. Licenciado Pleno em Ciências Agrárias (2001) com mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Federal do Pará (2003). Professor dos Programas de Pós-graduação em Agronegócios da UnB e da UFG.

Referências

ABIEC. Beef report: Perfil da pecuária no Brasil. [s.l.] Associação Brasileira das indústrias Exportadoras de Carnes Bovinas (ABIEC), 2019.

ACIONISTA. MARFRIG (MRFG3) – Aquisição/Alienação de Participação Acionária. Disponível em: <https://acionista.com.br/marfrig-acionistas-controladores/>.

ANPROSEM. Associação nacional dos produtores de sementes. Disponível em: <https://anprosem.com.br/site/>.

ASBIA. Asbia Index 2019. Brasília: Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), 2019. v. 39

BARBOSA, L.; CALEMAN, S. Sustentabilidade em sistemas agroindustriais: Um estudo multicasos da carne bovina de Mato Grosso do Sul, Brasil. Organizações Rurais e Agroindustriais, v. 18, n. 4, p. 315–331, 2017.

BARRETO, P.; PEREIRA, R.; BRANDÃO, A.; BAIMA, S. Os frigoríficos vão ajudar a zerar o desmatamento da Amazônia? 1. ed. Belém: Imazon; Instituto Centro da Vida, 2017.

BOECHAT, A.; PARRÉ, J. Mercado relevante e o exercício do poder de comprador: uma análise na cadeia produtiva de carne bovina brasileira entre 2004 e 2014. Revista Econômica do Nordeste, v. 49, n. 1, p. 117–131, 2018.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; ARAÚJO, E. C.; COSTA PERES, S. An alternative to the middle-income trap. Structural Change and Economic Dynamics, v. 52, p. 294–312, 2020.

BRITTO, G.; ROMERO, J. P.; FREITAS, E. La gran brecha: complejidad económica y trayectorias de desarrollo del Brasil y la República de Corea. Revista de la CEPAL, v. 127, n. 217–241, 2019.

CALEMAN, S. M. DE Q.; ZYLBERSZTAJN, D. Falta de Garantias e Falhas de Coordenação: Evidências do sistema agroindustrial da carne bovina. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, n. 2, p. 223–241, 2012.

CARDOSO, F. G.; REIS, C. F. D. B. Centre and periphery in global value chains: An interpretation based on the pioneers of development. Revista de Economia Contemporanea, v. 22, n. 3, p. 1–32, 2018.

CASTILHO, A. 20 grupos estrangeiros têm 3 milhões de ha de terras no Brasil. Disponível em: <https://deolhonosruralistas.com.br/2017/01/09/20-grupos-estrangeiros-tem-3-milhoes-de-ha-de-terras-no-brasil/>.

CEPEA. PIB do agronegócio - Dados de 1994 a 2019. Disponível em: <https://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx>.

COLEN, L.; MAERTENS, M.; SWINNEN, J. Foreign direct investment as an engine for economic growth and human development: a review of the arguments and empirical evidence. [s.l.] Leuven Centre for Global Governance Studies, 2008.

COMPRERURAL. Alta Genetics consolida-se líder em genética bovina. Disponível em: <https://www.comprerural.com/alta-genetics-consolida-se-lider-em-genetica-bovina/>.

CORONEL, D. A. Processo de desindustrialização da economia brasileira e possibilidade de reversão. Revista de Economia e Agronegócio, v. 17, n. 3, p. 389–398, 2020.

DE NEGRI, F. Novos caminhos para a inovação no Brasil. 1. ed. Washington: Wilson Center, 2018.

DI MEGLIO, G.; GALLEGO, J.; MAROTO, A.; SAVONA, M. Services in Developing Economies: The Deindustrialization Debate in Perspective. Development and Change, v. 49, n. 6, p. 1495–1525, 2018.

EMBRAPA. Visão 2014-2034 : o futuro do desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira. [s.l: s.n.]. v. 1

EMBRAPA. Anuário Leite 2019. Brasília: Embrapa Gado de Leite, 2019.

ESCHER, F.; WILKINSON, J. The political economy of the brazil-china soy-meat complex. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 57, n. 4, p. 656–678, 2019.

FLORINDO, T.; MEDEIROS, G.; COSTA, J.; RUVIARO, C. Competitividade dos principais países exportadores de carne bovina no período de 2002 a 2013. Revista de Economia e Agronegócio, v. 12, n. 1, p. 71–90, 2015.

GASQUES, J.; BASTOS, E.; VALDES, C. Produtividade da agricultura: resultados para o Brasil e estados selecionados. Revista de Política Agrícola, v. XXIII, n. 3, p. 87–98, 2014.

GLOBORURAL. Boehringer aumenta em 170% vendas de produtos de saúde animal em 2017. Disponível em: <https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Empresas-e-Negocios/noticia/2018/04/boehringer-aumenta-em-170-vendas-de-produtos-de-saude-animal-em-2017.html>.

GRAIN. El acaparamiento de tierras en el 2016: Sigue creciendo y sigue siendo malo. [s.l.] Grain, 2016.

HAGE, F.; PEIXOTO, M.; VIEIRA FILHO, J. Aquisição de Terras por Estrangeiros no Brasil: Uma Avaliação Jurídica e Econômica. [s.l.] Núcleo de Estudos e Pesquisas do Senado, 2012.

IBGE. Censo Agropecuário 2017 - Resultados Definitivos. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017>.

ISTOÉ. Brasil, o melhor amigo da Elanco. Disponível em: <https://www.istoedinheiro.com.br/brasil-o-melhor-amigo-da-elanco/>.

JBS. JBS S.A. - Uma Companhia Global de Alimentos: Apresentação institucional. São Paulo: JBS S.A., 2019.

JBS. Composição acionária e societária. Disponível em: <https://jbss.infoinvest.com.br/investidores-esg/governanca-corporativa/composicao-acionaria-e-societaria>.

MAGRO, T.; SANTOS, M.; JÚNIOR, L.; SILVA, J.; OLIVEIRA, E. Produção bovina e desmatamento: Análise da distribuição espacial da atividade pecuária no estado de Rondônia. IGepec, v. 23, n. 1, p. 112–126, 2019.

MAPA. Plano agrícola e pecuário 2019/2020. Brasília: Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, 2019.

MAPA. Quantidade de abate estadual por ano/espécie. Disponível em: <http://sigsif.agricultura.gov.br/sigsif_cons/!ap_abate_estaduais_cons?p_select=SIM&p_ano=2019&p_id_especie=9>.

MARFRIG. Relatório Sustentabilidade 2019. São Paulo: Marfrig, 2019.

MARFRIG. Composição acionária. Disponível em: <https://ri.marfrig.com.br/pt/governanca-corporativa/composicao-acionaria>.

MEDINA, G.; RIBEIRO, G.; BRASIL, E. Participação do capital brasileiro na cadeia produtiva da soja: lições para o futuro do agronegócio nacional. Revista de Economia e Agronegócio, v. 13, n. 1, 2016.

MEDINA, G.; SANTOS, A. Curbing enthusiasm for Brazilian agribusiness: The use of actor-specific assessments to transform sustainable development on the ground. Applied Geography, v. 85, p. 101–112, 2017.

MINERVA. Minerva: Histórico e Perfil Corporativo. Disponível em: <http://ri.minervafoods.com/minerva2012/web/mobile/conteudo_mobile.asp?idioma=0&tipo=40367&conta=28>.

MINERVA. Composição acionária. Disponível em: <http://ri.minervafoods.com/minerva2012/web/conteudo_pt.asp?idioma=0&conta=28&tipo=40373>.

MOITA, R. M.; GOLON, L. A. Oligopsônio dos Frigoríficos: Uma Análise Empírica de Poder de Mercado. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 6, p. 772–794, 2014.

MORAIS, L.; SAAD-FILHO, A. Da economia política à política econômica: o novo-desenvolvimentismo e o governo Lula. Revista de Economia Política, v. 31, n. 124, p. 507–527, 2011.

MURPHY, S.; BURCH, D.; CLAPP, J. Cereal Secrets: The World’s Largest Commodity Traders and Global Trends in Agriculture. Oxfam Research Reports, n. August, p. 1–79, 2012.

NASSIF, A.; BRESSER-PEREIRA, L. C.; FEIJO, C. The case for reindustrialisation in developing countries: towards the connection between the macroeconomic regime and the industrial policy in Brazil. Cambridge Journal of Economics, n. February 2017, p. 355–381, 2017.

OLIVEIRA, T. J. A. DE; RODRIGUES, W. Vulnerabilidade e o desenvolvimento das regiões do agronegócio no brasil (2007/2017). Informe GEPEC, v. 24, n. (2), p. 232–248, 2020.

OSAKI, M.; BATALHA, M. Optimization model of agricultural production system in grain farms under risk, in Sorriso, Brazil. Agricultural Systems, v. 127, n. C, p. 178–188, 2014.

OUROFINO. Sustainability Report 2018. São Paulo: Ourofino Animal Health, 2019.

OUROFINO. Ouro Fino Saúde Animal: Composição acionária. Disponível em: <https://ri.ourofino.com/show.aspx?idCanal=jFaOEN9UYDWUCpultSya8A==>.

PIKETY, T. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

PLETSCH, L.; CASALI, M.; BAGGIO, D.; TURCATO, J. Desenvolvimento sustentável na suinocultura e bovinocultura: a experiência das propriedades do município de Três Passos-Rs. IGepec, v. 23, n. 1, p. 51–73, 2019.

RADA, N. Assessing Brazil’s Cerrado agricultural miracle: An update. Food Policy, v. 38, n. 1, p. 146–155, 2013.

SAES, M. M.; SILVEIRA, R. L. F. Novas formas de organização nas cadeias agropecuárias brasileiras: Tendências recentes. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 22, n. 2, p. 386–407, 2014.

SANTOS, M.; GLASS, V. Atlas do Agronegócio: Fatos e números sobre as corporações que controlam o que comemos. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2018.

SILVEIRA, R.; CARRER, M.; CARVALHO, T.; FOSCACHES, C.; SAES, M. Formas plurais de governança: Uma análise das transações de suprimento entre frigoríficos e pecuaristas. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, n. 4, p. 761–782, 2014.

SINDAN. Anuário da indústria de produtos para saúde animal. São Paulo: Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal, 2019.

SPRING, J. Exclusive: European investors threaten Brazil divestment over deforestation. Disponível em: <https://www.reuters.com/article/us-brazil-environment-divestment-exclusi/exclusive-european-investors-threaten-brazil-divestment-over-deforestation-idUSKBN23Q1MU>.

STABILE, M.; GUIMARÃES, A.; SILVA, D.; RIBEIRO, V.; MACEDO, M.; COE, M.; PINTO, E.; MOUTINHO, P.; ALENCAR, A. Solving Brazil’s land use puzzle: Increasing production and slowing Amazon deforestation. Land Use Policy, v. 91, n. November, p. 104362, 2020.

STEIN, I.; FLAMINO, L.; MIRITZ, L. Descrição do mercado brasileiro de carne bovina no período de 2008 a 2017. Agropampa, v. 1, n. 1, 2019.

VALOR. Com Vallée, MSD deve ser líder em saúde animal. Disponível em: <https://valor.globo.com/agronegocios/noticia/2016/07/05/com-vallee-msd-deve-ser-lider-em-saude-animal.ghtml>.

VALOR. Caixa Econômica Federal reduz participação na JBS para 4,99%. Disponível em: <https://valor.globo.com/agronegocios/noticia/2017/01/12/caixa-economica-federal-reduz-participacao-na-jbs-para-499.ghtml>.

WILKINSON, J. Transformações e perspectivas dos agronegócios brasileiros. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 39, n. SUPPL. 1, p. 26–34, 2010.

Downloads

Publicado

07-01-2021

Como Citar

MEDINA, G. da S. MARKET SHARE DE EMPRESAS DOMÉSTICAS NA CADEIA PRODUTIVA DA CARNE BOVINA NO BRASIL Market share hold by domestic companies in the beef supply chain in Brazil. Informe GEPEC, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 220–239, 2021. DOI: 10.48075/igepec.v25i1.25709. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/25709. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos