Interação entre bactérias Azospirillum brasilense e Herbaspirillum seropedicae com adubação nitrogenada, visando o fornecimento de nitrogênio para o milho

Luiz Claudio Offemann, Vandeir Francisco Guimaraes, Ricardo Felipe Braga de Souza, Adriano Mitio Inagaki, Andre Gustavo Battistus, Leandro Rampim

Resumo

Objetivou-se investigar a interação entre as bactérias A. brasilense e H. seropedicae associadas à adubação nitrogenada, visando o fornecimento de nitrogênio para o milho. O delineamento experimental adotado foi de blocos ao acaso, em esquema fatorial 4 x 3, com quatro repetições. O primeiro fator foi formado pelos tratamentos: sem inoculação, inoculação com H. seropedicae e A. brasilense de forma isolada e associação das duas estirpes. O segundo fator referiu-se às doses de nitrogênio de 0, 60 e 120 kg ha-1 de N. Cada parcela experimental foi constituída de seis linhas de 3,5 metros, onde foi realizada a avaliação dos componentes de produção: número de fileiras de grãos e número de grãos por fileira, massa de mil grãos, massa média de grãos por espiga e produtividade. A inoculação isolada com as bactérias dos gêneros A. brasilense (AbV5) e H. seropedicae (SmR1) resultou em ganhos em especial para massa de mil grãos, onde pode-se observar que para doses inferiores à dose máxima de nitrogênio, houve o mesmo rendimento. Não houve ganho em relação à produtividade com a utilização de inoculação das sementes de milho com rizobactérias dos gêneros A. brasilense (AbV5) e H. seropedicae (SmR1) em relação à adubação nitrogenada.

Palavras-chave

bactérias diazotróficas; Zea mays L.; nitrogênio.

Texto completo:

PDF