Ácido indolbutírico e polímero hidroabsorvente no enraizamento de estacas de amoreira-preta

Rodrigo Amato Moreira, José Darlan Ramos, Maria do Céu Monteiro da Cruz, Larissa Villar, Oscar Mariano Hafle

Resumo

A busca por alternativas para viabilizar o processo de produção de mudas frutíferas é constante. Atualmente, a preferência é formar as mudas em recipientes devido às vantagens oferecidas em relação ao bom desenvolvimento do sistema radicular e a época de obtenção das mudas, por utilizar substratos preparados em ambiente controlado. O trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a formulação do substrato com o polímero hidroabsorvente no enraizamento da amoreira preta cv. Brazos tratada com o ácido indolbutírico. Foi utilizado o delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4 x 2, com quatro repetições e seis estacas por parcelas, sendo os fatores quatro as doses polímero hidroabsorvente (Suprágua®): 0, 3, 6 e 9 g L-1 e duas concentrações de ácido indolbutírico (AIB): 0 e 3000 mg L-1.Após 90 dias foram avaliadas as seguintes variáveis: percentual de enraizamento, o número de raízes, de brotações e de folhas, o comprimento das raízes e da parte aérea (cm). O tratamento de estacas com ácido indolbutírico (AIB) não influenciou no enraizamento. A incorporação ao substrato de 5,6 g L-1 de polímero hidroabsorvente proporcionou maior enraizamento e melhor desenvolvimento das mudas. O número de raízes favoreceu o comprimento da parte aérea e a emissão de folhas nas estacas de amoreira-preta cv. Brazos.

Palavras-chave

Produção vegetal, Agronomia

Texto completo:

PDF