Uso de fontes de nitrogênio visando retardar a senescência em girassol ornamental

A. M. C. e Castro, O. Sato, E. M. Rando, K. H. dos Santos, D. P. da Silva, A. Chimbo Jr., F. K. Carvalho, C. De L. Braga

Resumo

O girassol ornamental apresenta senescência das folhas basais que é um fator negativo do ponto de vista da comercialização, mesmo sendo a quarta oleaginosa em produção de grãos no mundo, alguns genótipos são usados com finalidade ornamental para flor de corte e de vaso. O objetivo do trabalho foi o de avaliar o efeito de diferentes fontes de nitrogênio sobre alguns parâmetros de crescimento, desenvolvimento e no retardamento da senescência das folhas basais em girassol de vaso. O experimento foi  conduzido em vaso, com volume de 1,3 L sob cultivo protegido, no Departamento de Produção Vegetal da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus Luiz Meneghel, município de Bandeirantes–PR, utilizando do girassol cv. Sunflower F1 Sumbrite
Supreme. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, composto por sete tratamentos com cinco repetições.  Os vasos foram preenchidos com 50% de substrato comercial Plantmax
® e 50% de húmus de minhoca. Os tratamentos foram:  testemunha (adubação realizada pelo produtor), adubo Super N
®, sulfammo®, uréia, nitrato de amônio, sulfato de amônio e nitrato de cálcio na dose  100 mg L-1  de N, em duas aplicações semanais, com volume de 100 mL por vaso. Foram realizadas duas avaliações, uma aos 30 dias após plantio (DAP), sendo avaliado o número de folhas e altura plantas (cm) e outra na colheita, quando os capítulos estavam totalmente abertos, sendo avaliados o número de folhas, altura de plantas, diâmetro das inflorescências e número de dias entre a colheita e a senescência das  inflorescências. Não houve diferença significativa entre as fontes de nitrogênio utilizadas, permitindo concluir que todas as fontes de adubos nitrogenadas avaliadas no experimento podem ser utilizadas na melhoria da qualidade das plantas de girassol.

Palavras-chave

Helianthus annuus, senescência foliar, pós colheita

Texto completo:

PDF