Indução de calos embriogênicos em bastão do imperador in vitro

Gabrielen de Maria Gomes Dias, Moacir Pasqual, Ana Cristina Portugual Pinto de Carvalho

Resumo

Com o objetivo de obter calos embriogênicos, foram avaliadas diferentes auxinas e posições de inoculação dos explantes. Rizomas, com aproximadamente 0,5cm, obtidos a partir de mudas micropropagadas, foram cortados longitudinalmente ao meio e inoculados em tubos de ensaio. Após a inoculação, as culturas foram mantidas em sala de crescimento, a 25±2ºC, no escuro. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 6x2, representados por cinco auxinas (ANA; AIB; AIA; 2,4-D e picloram) na concentração de 10µM e uma testemunha (sem auxina) e duas posições do explante (H-horizontal e V-vertical). O experimento foi constituído de cinco repetições com três tubos cada um contendo um explante. Após 50 dias de cultivo, avaliou-se a porcentagem de oxidação e de formação de calos. Os dados foram transformados para √x+0,5 e analisados, utilizando-se o programa SISVAR e as médias comparadas pelo teste Skott-Knott a 5% de probabilidade. No meio de cultura acrescido de 2,4-D, todos os explantes formaram calos. Os explantes inoculados no meio de cultura contendo picloram, não diferiram estatisticamente em relação à posição de inoculação dos explantes, os quais apresentaram 87% (V) e 80% (H) de calos.  Para a porcentagem de oxidação, não houve diferença estatística entre os tratamentos, porém naqueles adicionados de 2,4-D, ANA e AIA na posição vertical não foram constatados oxidação. Assim, o meio MS acrescido de 10µM de 2,4-D e o rizoma inoculado na posição vertical foram os que apresentaram maior porcentagem (100%) de indução de calos embriogênicos.

Palavras-chave: Etligera elatior, Propagação in vitro, Zingiberaceae

Palavras-chave

produção vegetal; agronomia

Texto completo:

PDF