Desempenho agronômico do milho safrinha consorciado com forrageiras no noroeste do Estado de Mato Grosso

Admar Junior Coletti, Diego Stasiak, Junio Cesar Martinez, Fabricio Coletti, Diego José Dal'Maso

Resumo

O consórcio de milho safrinha com forrageiras, em regiões de clima tropical apresenta-se como uma alternativa para produção de grãos e manutenção de palhada para o sistema de semeadura direta. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho agronômico do milho safrinha consorciado com forrageiras semeadas por ocasião da adubação de cobertura do milho, no estádio fenológico V5. O experimento foi conduzido no município de Sapezal, MT (13º35’13’’ S, 58º47’56’’ W e altitude de 570 m). Utilizou-se o delineamento em blocos ao acaso, com cinco tratamentos (monocultivo do milho, milho + Urochloa brizantha cv. Marandu, milho + Urochloa brizantha cv. Piatã, milho + Urochloa brizantha cv. Xaraés e milho + Panicum maximum cv. Massai) e cinco repetições. Avaliou-se: altura de planta, altura de inserção da primeira espiga, população de plantas, índice de espigas, número de fileiras de grãos, número de grãos por fileira, massa de cem grãos, produtividade de grãos e produção de matéria seca das forrageiras. A presença das forrageiras semeadas por ocasião da adubação de cobertura do milho não interferiu nas características agronômicas desta cultura. A produtividade de grãos de milho, apesar de não ser influenciada pelos tratamentos, foi superior a média nacional e do Estado de Mato Grosso.

Palavras-chave

consórcio; Panicum maximum; safrinha; Urochloa brizantha; Zea mays

Texto completo:

PDF