CONTRIBUIÇÃO DO NÍVEL EDUCACIONAL NO COMPORTAMENTO FINANCEIRO PESSOAL

Autores

  • Rafaela Ferreira Maniçoba

DOI:

https://doi.org/10.48075/rfc.v19i30.14447

Palavras-chave:

nível educacional, comportamento, finanças pessoais.

Resumo


Apesar do crescente número de estudos voltados para a área de finanças pessoais, poucos exploram mudanças comportamentais advindas da melhoria no nível de formação. O objetivo dessa pesquisa é analisar a relação entre o ingresso na formação superior e o comportamento financeiro pessoal. Em um levantamento com 126 jovens universitários utilizando o método descritivo, verificou-se mudança significativa no comportamento financeiro pessoal, corroborada pelo teste qui-quadrado. O resultado indicou que a formação superior pode influenciar o comportamento financeiro pessoal desses jovens, principalmente nas faixas de 17 a 22 anos. A partir desse resultado, propõe-se investigar as causas de tal mudança. Para tanto visa-se um estudo futuro utilizando o quadro teórico das Finanças Comportamentais.

Downloads

Publicado

04-10-2018

Como Citar

MANIÇOBA, R. F. CONTRIBUIÇÃO DO NÍVEL EDUCACIONAL NO COMPORTAMENTO FINANCEIRO PESSOAL. Revista Faz Ciência, [S. l.], v. 19, n. 30, p. 34, 2018. DOI: 10.48075/rfc.v19i30.14447. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/fazciencia/article/view/14447. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos