REDES DE COOPERAÇÃO: ESTUDO SOBRE A COOPERAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR CATARINENSE / Cooperation networks: study on cooperation in catarinian family agriculture

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v25i2.26224

Palavras-chave:

Desenvolvimento regional, desenvolvimento rural, cooperação

Resumo


As redes de cooperação são constituídas por vários atores que atuam de modo cooperativo, desempenhando esforços conjuntos para o alcance de objetivos comuns. Na agricultura familiar este tipo de configuração está relacionado à melhoria da qualidade de vida do agricultor familiar e do incentivo à permanência no campo. Sendo assim, o objetivo desta pesquisa consiste em analisar como ocorre a rede de cooperação entre os agricultores familiares Riosulenses responsáveis pela produção e atendimento da alimentação escolar. O estudo possui uma abordagem descritiva e qualitativa, com uma análise documental e de conteúdo. Os principais resultados indicaram que os agricultores em rede são recíprocos uns com os outros, as relações de confiança e cooperação fazem o diferencial no sucesso da rede, seja por algumas atividades serem realizadas em conjunto ou pela divisão justa das variedades que cada agricultor realizará, constituindo assim uma relação em que todos ganham.

Biografia do Autor

Laiana da Silva Ossemer, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Graduada em Administração pela Faculdade Metropolitana de Rio do Sul (Uniasselvi). Mestre em Administração pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Atualmente é Diretora Técnica de Administração da Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão de Pessoas e Administração Pública.

Iara Regina dos Santos Parisotto, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Doutora (2012) em Administração UNINOVE, Mestre em Ciências Contábeis-Controladoria pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2005), especialista em Gerência Contábil e Auditoria e Gerência da Qualidade dos Serviços Contábeis, graduada em Ciencias Contabeis pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (1991). Professora TI-40H FURB. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) - FURB. Atua na Coordenação Ambiental da FURB e na Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da FURB.

Ronaldo Leão de Miranda, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração - PPGCC - PPGAD (CAPES 5) da Universidade Regional de Blumenau - FURB (Santa Catarina). Mestre em Desenvolvimento Regional (CAPES 5) pela Universidade Regional de Blumenau - FURB (Santa Catarina). Bacharel em Administração pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Santo Ângelo (Rio Grande do Sul) (CRA - RS nº 048716). Atualmente é pesquisador no GPGDR - Grupo Interdisciplinar de Pesquisas em Gestão e Desenvolvimento Regional.

Referências

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Redes de Cooperação Empresarial: Estratégias de Gestão na Nova Economia. Porto Alegre: Bookman Editora, 2016.

BARBOSA, F. A.; SACOMANO, J. B. As redes de negócios e as cadeias de suprimentos: um estudo de caso para compreensão conceitual. In: XXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, Anais... Salvador, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 2009.

BORBINHA, J. Redes de colaboração: alguns elementos para análise e reflexão. Cadernos BAD, 2004.

BRASIL, Lei Federal n. 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília, DF. 15 Dez. 2006.

BRASIL, Lei Federal n. 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília, DF. 17 Jun. 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Institucional. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/acesso-a-informacao/institucional>. Acesso em 10 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Sobre o PNAE. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/programas/pnae>. Acesso em 10 out. 2020.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: do conhecimento à política. Portugal, 2005.

CORÁ, M. A J.; IZUKA, E. S.; JUNQUEIRA, L. A. P. Políticas Sociais e a Agricultura Familiar no Brasil: Desafios na Construção de Parcerias, Colaboração e Redes Sociais. NAU Social, v. 7, n. 12, 2016.

COREN, C.; CLAMP, C. The Experience of Wisconsin's Wine Distribution Cooperatives. Journal of Cooperative Organization and Management, v. 2, n. 1, p. 6-13, 2014.

DUNN, J. R. Basic cooperative principles and their relationship to selected practices. Journal of Agricultural Cooperation, v. 3, n. 1141-2016-92562, p. 83-93, 1988.

EPAGRI. Manual Operativo Programa Santa Catarina Rural Programa De Competitividade da agricultura Familiar de Santa Catarina. vol 1, Florianópolis, 2014.

FLICK. U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FNDE. Alimentação Escolar. Disponível em: < http://www.fnde.gov.br/programas/pnae>. Acesso em 10 out. 2020.

FNDE. Resolução/CD/FNDE Nº 04, de 02 de abril de 2015. Altera a redação dos artigos 25 a 32 da Resolução/CD/FNDE nº 26, de 17 de junho de 2013. Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Brasília, DF. 18 Jun. 2013.

FORNEY, J.; HÄBERLI, I. Co-operative values beyond hybridity: The case of farmers’ organisations in the Swiss dairy sector. Journal of Rural Studies, v. 53, p. 236-246, 2017.

GASSON, R.; ERRINGTON, A. The farm family business. Cab International, 1993.

GEINDRE, S. Le rôle de l'acteur tiers dans la construction d'un réseau stratégique. Revue Française de Gestion, n. 1, p. 75-91, 2005.

GEROLAMO, M. C.; CARPINETTI, L. C. R.; FLESCHUTZ, T.; SELIGER, G. Clusters e redes de cooperação de pequenas e médias empresas: observatório europeu, caso alemão e contribuições ao caso brasileiro. Gestão & Produção, v. 15, n. 2, p. 351-365, 2008.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, v. 16, n. 2, p. 183-214, 1995.

HUMAN, S. E.; PROVAN, K. G. An emergent theory of structure and outcomes in small-firm strategic manufacturing networks. Academy of Management Journal, v. 40, n. 2, p. 368-403, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 2006: Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/agricultura-e-pecuaria/9827-censo-agropecuario.html?edicao=9830&t=sobre>. Acesso em 10 out. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 2017: Resultados preliminares. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/agricultura-e-pecuaria/21814-2017-censo-agropecuario.html?=&t=o-que-e>. Acesso em 10 out. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produto Interno Bruto dos Municípios. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em:< https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv67269.pdf>. Acesso em 10 out. 2020.

MARCONDES, T.; MIOR, L. C.; REITER, J. M. W.; MONDARDO, Marcia. Os empreendimentos de agregação de valor e as redes de cooperação da agricultura familiar de Santa Catarina. Florianópolis: Epagri, 2012.

OLAVE, M. E. L.; AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas. Gestão & Produção, São Carlos, v. 8, n. 3, p. 289-303, 2001.

OLIVER, C. Determinants of interorganizational relationships: Integration and future directions. Academy of Management Review, v. 15, n. 2, p. 241-265, 1990.

PICOLOTTO, E. L. Os atores da construção da categoria agricultura familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, p. 63-84, 2014.

PORTAL DA ECONOMIA DE SANTA CATARINA. Economia De Santa Catarina: Análise das Características Produtivas. Disponível em: <http://portaldeeconomiasc.fepese.org.br/index.php?c=economia#_Toc346963827. Acesso em 10 out. 2020.

RICCIARDI, A. Le Pmi localizzate nei distretti industriali: vantaggi competitivi, evoluzione organizzativa, prospettive future. Quaderni di Ricerca Sull’Artigianato, v. 54, p. 129-77, 2010

RIO DO SUL. Notícias. Disponível em: <https://riodosul.atende.net/#!/tipo/noticia/valor/3149> Acesso em 1 nov. 2018.

SÁ, M. A. Redes de cooperação como estratégia para desenvolvimento da agricultura familiar: Programa SC Rural. 2014. Dissertação (Mestrado) Curso de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

VERSCHOORE FILHO, J. R. d. S. Redes de cooperação interorganizacionais: a identificação de atributos e benefícios para um modelo de gestão. 2006.Tese (Doutorado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa: do início ao fim. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2016.

ZANCAN, C.; SANTOS, P. C. F.; COSTA, A. C. S.; CRUZ, N. J. T. Condicionantes de consolidação de redes de cooperação interorganizacional: um estudo de caso sobre o Rio Grande do Sul. RAP - Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, 2013.

ZANCAN, C.; SANTOS, P. C. F.; CRUZ, N. J. T. Mecanismos de Coordenação na Formação de Redes de Cooperação: Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos. Revista de Ciências da Administração, v. 15, n. 36, p. 193, 2013.

Downloads

Publicado

18-06-2021

Como Citar

OSSEMER, L. da S.; PARISOTTO, I. R. dos S.; MIRANDA, R. L. de. REDES DE COOPERAÇÃO: ESTUDO SOBRE A COOPERAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR CATARINENSE / Cooperation networks: study on cooperation in catarinian family agriculture. Informe GEPEC, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 23–41, 2021. DOI: 10.48075/igepec.v25i2.26224. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/26224. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos