CADEIAS PRODUTIVAS DOS FRUTOS NATIVOS DO CERRADO: estudo de caso sobre o agroextrativismo no Vale do Rio Urucuia em Minas Gerais e no Sul Maranhense The productive chains of the cerrado's native fruits and their specificities

Autores

  • Tayline Walverde Bispo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (PPG-CDS - UnB) https://orcid.org/0000-0002-2403-3929
  • Stéphane Guéneau Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (PPG-CDS - UnB) https://orcid.org/0000-0002-4148-4799
  • Camila Lago Braga Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR - UFRGS) https://orcid.org/0000-0002-1211-9899
  • Cristiane Cavalcante Lima Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR - UFRGS) https://orcid.org/0000-0003-2100-3975

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v25i0.26388

Palavras-chave:

Desenvolvimento regional, Desenvolvimento Rural.

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar as cadeias produtivas de frutos nativos do Cerrado, com foco na contribuição desses frutos para o incremento de renda das populações agroextrativistas. A metodologia baseou-se na realização de pesquisas de campo nos municípios de São Raimundo das Mangabeiras e Carolina, no Maranhão, e no município de Arinos, em Minas Gerais. Para melhor compreensão da organização e do funcionamento das cadeias produtivas, foram entrevistadas 40 pessoas, entre agroextrativistas, representantes sindicais e representantes de cooperativas. Também foram realizadas observações em reuniões, feiras e visitas em propriedades rurais entre os anos de 2017 e 2019. As principais cadeias produtivas identificadas foram a do baru, do pequi, do bacuri e do cajá, selecionadas por possuírem dinâmicas próprias de produção e comercialização, com grande relevância para a economia local das regiões estudadas. Mediante uma análise de cadeia produtiva de Produtos Florestais não Madeireiros (PFNM), verificou-se o potencial de diferentes frutos nativos do Cerrado. Os resultados obtidos comprovam a relevância das cadeias produtivas e permitem concluir que, quanto mais organizada e estruturada estiver a cadeia, maiores serão os benefícios para os agroextrativistas, influenciando positivamente na qualidade de vida desse segmento.

Biografia do Autor

Tayline Walverde Bispo, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (PPG-CDS - UnB)

Doutora em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília, Mestre em Agronegócios e Gestora do Agronegócio.

Stéphane Guéneau, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (PPG-CDS - UnB)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (PPG-CDS - UnB) e Pesquisador do Centre de Cooperation International en Recherche Agronomique pour le Développment (CIRAD).

Camila Lago Braga, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR - UFRGS)

Doutoranda em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Cristiane Cavalcante Lima, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR - UFRGS)

Doutoranda em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ABRANTES, J.S. Bio(sócio)diversidade e empreendedorismo ambiental na Amazônia. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

ALMEIDA, A. N.; BITTENCOURT, A. M.; SANTOS, A.J.; EISFELS, C. L.; SOUZA, V. S. Evolução da produção e preço dos principais produtos florestais não madeireiros extrativos do Brasil. CERNE, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 282-287, jul.-set. 2009.

ARNOLD, J.E.M.; PEREZ, M.R. Can non-timber forest products match tropical forest conservation and development objectives? Ecological Economics, [S.l.], 39, p. 437-447, 2001.

BATALHA, M.O. As cadeias de produção agroindustriais: uma perspectiva para o estudo das inovações tecnológicas. Revista de Administração, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 43-50, out.-dez. 1995.

BEGNIS, H.S.M.; ESTIVALETE, V.F.B.; PEDROZO, E.A. Confiança, comportamento oportunista e quebra de contratos na cadeia produtiva do fumo no sul do Brasil. Gestão e Produção, São Carlos, v. 14, n. 2, p. 311-322, maio-ago. 2007.

BEZERRA, N.K.M.S.; BARROS, T.L.; COELHO, N.P.M.F. A ação do óleo de pequi (Caryocar brasiliense) no processo cicatricial de lesões cutâneas em ratos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 17, n. 4, supl. II, p. 875-880, 2015.

BISPO, T.W. A transformação do agroextrativismo do Cerrado: casos do Sul Maranhense e do Vale do rio Urucuia em Minas Gerais – Brasil. 2020. 229 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

BISPO, T.W. Agroextrativismo no vale do Rio Urucuia – Minas Gerais: formas de organização da produção e da distribuição. 2014. 146 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio) – Faculdade de Agronomia e Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério do Meio Ambiente. Instrução Normativa Conjunta n. 17, de 28 de maio de 2009. Aprovar as normas técnicas para a obtenção de produtos orgânicos oriundos do extrativismo sustentável orgânico.. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério do Meio Ambiente: Brasília, 2009.

BRASIL. Lei n. 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília, 2006.

CARRAZZA, L. R. Tecnologias sociais agroextrativistas como estratégia de conservação ambiental e desenvolvimento local. In: OTTERLOO, A. (Org.) Tecnologias sociais: caminhos para a sustentabilidade. Brasília: Brasil, 2009. p. 265-277.

CASTRO, A.M.G.; LIMA, S.M.V.; CRISTO, C.M.P.N. Cadeia produtiva: marco conceitual para apoiar a prospecção tecnológica. In: Simpósio Gestão da Inovação Tecnológica, 22, 2002, Salvador. Anais... Salvador: 2002.

DUTRA, R. M.S.; SOUZA, M. M. O. Agroextrativismo e geopolítica da natureza: alternativa para o Cerrado na perspectiva analítica da cienciometria. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 11, n. 3, p. 110-133, dez. 2017.

FORZZA, R.C.; BAUMGRATZ, J.F.A.; BICUDO, C.E.M.; CANHOS, D.A.L.;

CARVALHO JR, A.A.; COSTA, A.; COSTA, D.P.; HOPKINS, M.; LEITMAN, P.M.;

LOHMANN, L.G.; LUGHADHA, E.N.; MAIA, L.C.; MARTINELLI, G.; MENEZES, M.;

MORIM, M.P.; COELHO, M.A.N.; PEIXOTO, A.L.; PIRANI, J.R.; PRADO, J.; QUEIROZ,

L.P.; SOUZA, S.; SOUZA, V.C.; STEHMANN, J.R.; SYLVESTRE, L.S.; WALTER,

B.M.T.; ZAPPI, D. Síntese da diversidade brasileira. In: FORZZA, R.C.; LEITMAN, P.M.;

COSTA, A.; CARVALHO JR, A.A.; PEIXOTO, A.L.; WALTER, B.M.T.; BICUDO, C.;

ZAPPI, D.; COSTA, D.P.; LLERAS, E.; MATINELLI, G.; LIMA, H.C.; PRADO, J.;

STEHMANN, J.R.; BAUMGRATZ, J.F.A.; PIRANI, J.R.; SYLVESTRE, L.S.; MAIA, L.C.;

LOHMANN, L.G.; PAGANUCCI, L,. SILVEIRA, M.; NADRUZ, M.; MAMEDE, M.C.H.;

BASTOS, M.N.C.; MORIM, M.P.; BARBOSA, M.R.; MENEZES, M.; HOPKINS, M.;

SECCO, R.; CAVALCANTI, T.; SOUZA, V.C. Catálogo de plantas e fungos do Brasil.

(Orgs.). Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do

Rio de Janeiro, 2010. Introdução. p.19-42.

GAMA, J. R. V.; SOUZA, A.L.; CALEGÁRIO, N.; LANA, G.C. Fitossociologia de duas fitocenoses de floresta ombrófila aberta no município de Codó, estado do Maranhão. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 3, p. 465-477, 2007.

GOMES, C.V.A. Ciclos econômicos do extrativismo na Amazônia na visão dos viajantes naturalistas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, [S.l.], v. 13, n. 1, p. 129-146, jan.-abr. 2018.

GRIFFON, M. Economie institutionnelle et agriculture. Montpellier: CIRAD-MES, 1994.

HOMMA, A.K.O. Extrativismo vegetal ou plantio: qual a opção para a Amazônia? Estudos Avançados, [S.l.], v. 26, n. 74, p. 167-186, 2012.

HOMMA, A.K.O. Extrativismo, biodiversidade e biopirataria na Amazônia. Embrapa Informação Tecnológica: Brasília, 2008.

HOMMA, A.K.O. Amazônia: como aproveitar os benefícios da destruição? Estudos Avançados, [S.l.], v. 19, n. 54, p. 115-135, 2005.

KERR, W.E.; SILVA, F.R.; TCHUCARRAMAE, B. Pequi (Caryocar brasiliense Camb.). Informações preliminares sobre um pequi sem espinhos no caroço. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 29, n. 1, p. 169-171, 2007.

KRAG, M.N.; SANTANA, A.C.; SALOMÃO, R.P.; MARTINS, C.M.; GOMES, S.C. A governança do arranjo produtivo local da castanha-do-brasil na região da Calha Norte, Pará. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 55. n. 3, p. 589-608, jul.-set. 2017.

LANÇON, F.; TEMPLE, L.; BIÉNABE, E. The concept of filière or value chain: an analytical framework for development policies and strategies. In: BIÉNABE, E.; RIVAL, A.; LOEILLET, D. (Eds.) Sustainable development and tropical agri-chains. Dordrecht: Springer, 2017. p. 17-28.

MARTINS, R.L.; GRIBEL, R. Polinização de Caryocar villosum (Aubl.) Pers. (Caryocaraceae) uma árvore emergente da Amazônia Central. Revista Brasileira de Botânica, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 37-45, jan.-mar. 2007.

MATTIETTO, R.A.; LOPES, A.S.; MENEZES, H.C. Caracterização física e físico-química dos frutos da cajazeira (Spondias mombin L.) e de suas polpas obtidas por dois tipos de extrator. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 13, n. 3, p. 156-164, jul./set. 2010.

MENEZES, A.J.E.A.; HOMMA, A.K.O.; SHÖFFEL, E.R. Do extrativismo à domesticação: o caso do bacurizeiro no Nordeste Paraense e na Ilha do Marajó. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2012.

MENEZES, A.J.E.A.; HOMMA, A.K.O.; SCHÖFFEL, E.R.; FILGUEIRAS, G.C. A comercialização do fruto de bacuri pela agricultura familiar no nordeste paraense e Ilha de Marajó no Pará. In: SOBER Nordeste, 6, 2011, Petrolina, Anais... Petrolina, 2011.

MORVAN, Y. Fondements d’économie industrielle. Paris: Economica, 1988.

MOTA, D.M.; SCHMITZ, H.; SILVA JÚNIOR, J.F.; RODRIGUES, R.F.A. O trabalho familiar extrativista sob a influência de políticas públicas. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 52, s. 1, p. S189-S204, 2014.

NOGUEIRA, M.C.R.; FLEISCHER, S.R. Entre a tradição e modernidade: potenciais e contradições da cadeia produtiva agroextrativista no Cerrado. Estudos Sociedade e Agricultura, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 125-157, 2005.

OLIVEIRA JÚNIOR, S.R.; CONCEIÇÃO, G.M. Espécies vegetais nativas do Cerrado utilizadas como medicinais pela comunidade Brejinhos, Caxias, Maranhão, Brasil. Cadernos de Geociências, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 140-148, nov. 2010.

OLIVEIRA, W.L.; SCARIOT, A. Boas práticas de manejo para o extrativismo sustentável do pequi. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2010.

PERES, M.R. Pequi. Disponível em <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agroenergia/arvore/CONT000fbl23vmz02wx5eo0sawqe3egcicvo.html>. Acesso em: 10 abr. 2019.

RAIKES, P.; JENSEN, M.F.; PONTE, S. Global commodity chain analysis and the French filière approach: comparison and critique. Economy and Society, [S.l.], v. 29, n. 3, p. 390-417, 2000.

RAVENA, N. ; MARIN, R.E.A. A teia de relações entre índios e missionários: a complementaridade vital entre o abastecimento e o extrativismo na dinâmica econômica da Amazônia Colonial. Varia História, Belo Horizonte, v. 29, n. 50, p. 395-420, mai.-ago. 2013.

ROCHA, L.S.; CARDOSO SANTIAGO, R.A. Implicações nutricionais e sensoriais da polpa e casca do baru (Dipteryx alata Vog.) na elaboração de pães. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 29, n. 4, p. 820-825, out.-dez. 2009.

SLOW FOOD BRASIL. Fortalezas. Disponível em: <http://www.slowfoodbrasil.com/fortalezas>. Acesso em: 20 abr. 2019.

SOARES, E.B.; GOMES, R.L.F.; CARNEIRO, J.G.M.; NASCIMENTO, F.N.; SILVA, I.C.V.; COSTA, J.C.L. Caracterização física e química de frutos da cajazeira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal – SP, v.28, n.3, p.518-519, dez. 2006.

VERA, R.; SOUZA, E.R.B. Baru. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 1, mar. 2009.

Downloads

Publicado

18-01-2021

Como Citar

BISPO, T. W.; GUÉNEAU, S.; BRAGA, C. L.; LIMA, C. C. CADEIAS PRODUTIVAS DOS FRUTOS NATIVOS DO CERRADO: estudo de caso sobre o agroextrativismo no Vale do Rio Urucuia em Minas Gerais e no Sul Maranhense The productive chains of the cerrado’s native fruits and their specificities. Informe GEPEC, [S. l.], v. 25, p. 133–152, 2021. DOI: 10.48075/igepec.v25i0.26388. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/26388. Acesso em: 8 ago. 2022.