Os sinais de nome atribuídos no contexto acadêmico: uma abordagem Antroponomástica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/odal.v1i2.25446

Palavras-chave:

Língua de sinais, Antroponomástica, Sinais de nome.

Resumo


Este trabalho faz parte do projeto de pesquisa em andamento denominado “Estudos Onomásticos da Língua Brasileira de Sinais”, e tem por objetivo analisar a atribuição de um sinal de nome para alguns autores/pesquisadores, cujos sinais de nome foram pesquisados no Manuário Acadêmico e Escolar elaborado pelo Instituto Nacional de Educação de Surdos. Tal pesquisa se insere nos estudos onomásticos das línguas de sinais, uma vez que em muitas comunidades de línguas de sinais, é comum a atribuição de um sinal para que o indivíduo possa ser reconhecido como integrante daquele grupo. Estes signos, que denominamos “sinais de nome”, utilizam-se de características visuais, e são sempre motivados. Salienta-se que sinais de nome também são atribuídos para pessoas que não fazem parte da comunidade surda, mas que precisam ser referenciados constantemente, como é o caso de pesquisadores, autores, filósofos etc., relacionados ao ambiente acadêmico. Para tal análise, utilizamos a taxonomia proposta por Barros (2018), a qual identificou quatro principais taxes para classificar um sinal de nome: Empréstimo da Língua oral, Aspecto físico, Aspecto Comportamental e Aspecto Social. Como resultados preliminares podemos observar que a maioria das atribuições de sinais se relacionam a características físicas dos nomeados e pouco se relacionam com suas atuações profissionais.  

Biografia do Autor

Gabriele Cristine Rech, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Brasil

Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste),mestre em linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Especialista em Educação Especial: Área da surdez e Libras pela Univale. Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e em Teologia pela Faculdade Teológica Sul Americana (FTSA)

Fabíola Sucupira Sell, Universidade do Estado de Santa Catarina, Brasil

Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias

Referências

Barros, M. (2018). Taxonomia Antroponímica nas Línguas de Sinais: A motivação dos Sinais-nomes. RE-UNIR, 5, 40-62.

Börstell, C. (2017). Types and Trends of Name Signs in the Swedish Sign Language Community. SKY Journal of Linguistics 30, 7-34.

Day, L., Sutton-Spence, R. (2010). British sign name customs. Sign Language Studies 11, 22-54.

Delaporte, Y. (1998). Des noms silencieux. Le système anthroponymique des sourds français. L´Homme, tome 38 146, 7-45.

Dick, M. V. de P. do A. (1992). Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: FFLCH.

Kourbetis, V., Hoffmeister, R. J. (2002). Name signs in Greek Sign Language. American Annals of the Deaf 147, 35–43.

Mandelblatt, J. Favorito, W. (2018). A Expansão e o registro do léxico terminológico em Libras: a contribuição do Manuário Acadêmico do INES. Revista Espaço 49, 153 – 172.

Meadow, K. P. (1977). Name signs as identity symbols in the Deaf community. Sign Language Studies 16, 237–246.

Mindess, A. (1990). What name signs can tell us about Deaf culture. Sign Language Studies 66, 1–23.

Paales, L. (2011). Name signs for hearing people. Folklore 47, 43-76.

Seabra, M. C., Isquerdo, A. N. (2018). A onomástica em diferentes perspectivas: resultados de pesquisas. Revista de Estudos da Linguagem 3, 993-1000.

Seel, F. S. F., Rech, G. C. R. (2019). Os sinais de nome na Língua Brasileira de Sinais. In: Anais do I Congresso Internacional de Lexicologia, Lexicografia, Terminologia e Terminografia das Línguas de Sinais e II Fórum Internacional sobre Produção de Glossários e Dicionários em Línguas de Sinais, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Seide, M. S. (2013). Toponomástica e antroponomástica: paradigma e métodos. Confluência Revista do Instituto de Língua Portuguesa, 44 e 45, 165-184.

Souza, I.L., Gediel, A.L. (2017). Os sinais dos Surdos: Uma análise a partir de uma perspectiva cultural. Trab. Ling. Aplic, Campinas 56, 163- 185.

Supalla, S. J. (1990). The arbitrary name sign system in American Sign Language. Sign Language Studies 67, 99-126.

TV INES. Manuário: Jean Claude Passeron. 2016. Disponível em: http://tvines.org.br/?p=12240. Acesso em 5 maio 2020.

TV INES. Manuário: Félix Guattari. 2015. Disponível em: http://tvines.org.br/?p=11089. Acesso em 5 maio 2020.

TV INES. Manuário: Stuart Hall. 2015. Disponível em: http://tvines.org.br/?p=10278. Acesso em 5 maio 2020.

TV INES. Manuário: Giroux. 2014. Disponível em: http://tvines.org.br/?p=5898. Acesso 5 maio 2020.

Yau, S., He, J. (1989). How Deaf children in a Chinese school get their sign names. Sign Language Studies 18, 305-322.

Downloads

Publicado

29-07-2020

Como Citar

RECH, G. C.; SUCUPIRA SELL, F. Os sinais de nome atribuídos no contexto acadêmico: uma abordagem Antroponomástica. Onomástica desde América Latina, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 67–82, 2020. DOI: 10.48075/odal.v1i2.25446. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/onomastica/article/view/25446. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos