A MARGINALIDADE LITERÁRIA E O UNDERGROUND EM O CHEIRO DO RALO, DE LOURENÇO MUTARELLI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rlhm.v17i29.26757

Palavras-chave:

Literatura Underground, Prosa Marginal, Graphic novel, Skaz, Lourenço Mutarelli

Resumo


O objetivo foi analisar O Cheiro do Ralo (2002), o romance inaugural do cartunista Lourenço Mutarelli. O propósito é compreender a linguagem underground na estrutura híbrida dentro da forma do gênero romance. As teorias selecionadas de Bakhtin sobre o plurilinguismo e o skaz fundamentam a pesquisa a partir do discurso social e o trabalho crítico de Will Eisner (2010) sustenta a entrada da voz do autor através do trabalho artístico, principalmente, na linguagem da graphic novel. O Cheiro do Ralo representa um trabalho mediador de inclusão da literatura underground amparado pela linguagem marginal, que é, por sua vez, evidenciado pelo imaginário artístico. O cartunista converge para a escritura contemporânea em uma linguagem original que "conta e mostra" enquanto imagem e voz social na Literatura Underground.

Biografia do Autor

Damásio Marques da Silva, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

Doutorando em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP; Mestre em Literatura e Crítica Literária - PUCSP.

Downloads

Publicado

02-07-2021

Como Citar

DA SILVA, D. M. A MARGINALIDADE LITERÁRIA E O UNDERGROUND EM O CHEIRO DO RALO, DE LOURENÇO MUTARELLI. Revista de Literatura, História e Memória, [S. l.], v. 17, n. 29, p. 175–195, 2021. DOI: 10.48075/rlhm.v17i29.26757. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/article/view/26757. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

PESQUISA EM LETRAS NO CONTEXTO LATINO-AMERICANO E LITERATURA, ENSINO E CULTURA