Comportamento produtivo do trigo em diferentes métodos e densidades de semeadura

Autores

  • Tiago Fernando Gross
  • Alfredo Riciere Dias
  • Claudinei Kappes
  • Luis Miguel Schiebelbein
  • Jefferson Luis Anselmo
  • Henrique Vinicius de Holanda

DOI:

https://doi.org/10.18188/sap.v11i4.4917

Palavras-chave:

Produção Vegetal

Resumo


O método e densidade de semeadura constituem fatores importantes para que se obtenha boa produtividade na cultura do trigo. O objetivo do trabalho foi avaliar os efeitos de métodos de semeadura (a lanço e na linha) e densidades (160, 320 e 480 plantas m-2) sobre o desempenho do trigo cultivado em sistema plantio direto. O experimento foi conduzido no período de inverno de 2007, com os tratamentos dispostos em blocos ao acaso em arranjo fatorial 2 x 3 (métodos de semeadura x densidade de semeadura), com quatro repetições. As características avaliadas foram: número de perfilhos por planta, espigas por m2 e espiguetas por espiga, altura de planta, massa de espiga e de cem grãos, teor de água nos grãos e produtividade da cultura. Os resultados foram submetidos à análise de variância, sendo as médias de métodos de semeadura comparadas pelo teste de Tukey e de densidades pela análise de regressão. A altura de planta foi maior quando o trigo foi semeado na linha, ao passo que, o número de perfilhos por planta, massa de espiga e de cem grãos e teor de água nos grãos foi maior na semeadura a lanço. O incremento na densidade de semeadura provocou redução linear do número de perfilhos por planta e espiguetas por espiga, altura de planta, massa de espiga e de cem grãos. O número de espigas por m2 aumentou juntamente com o incremento da densidade, contudo, tal efeito não refletiu na produtividade, e esta não foi influenciada pelos fatores considerados.

Downloads

Publicado

04-03-2013

Como Citar

GROSS, T. F.; DIAS, A. R.; KAPPES, C.; SCHIEBELBEIN, L. M.; ANSELMO, J. L.; HOLANDA, H. V. de. Comportamento produtivo do trigo em diferentes métodos e densidades de semeadura. Scientia Agraria Paranaensis, [S. l.], v. 11, n. 4, p. 50–60, 2013. DOI: 10.18188/sap.v11i4.4917. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/article/view/4917. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Científicos