Conservação e crioconservação de sementes do porta-enxerto de marmeleiro ‘japonês’

Autores

  • Viviane Marcela Celant
  • Rafael Pio
  • Edvan Alves Chagas
  • Wilson Barbosa
  • Leandro Rampim
  • Madeleine Alves de Figueiredo
  • Cynthia Natally de Assis
  • Andrei Spaziani Tiberti

DOI:

https://doi.org/10.18188/sap.v11i4.5132

Palavras-chave:

Chaenomeles sinensis, produção de mudas, germinação, estratificação.

Resumo


Desenvolveu-se um protocolo de produção de mudas de marmeleiro enxertadas no porta-enxerto ‘Japonês’ no inverno (julho). Como a extração das sementes do marmeleiro ‘Japonês’ é em maio e demanda-se nove meses por ano para produzir os porta-enxertos, há necessidade de estudar técnicas de conservação de sementes para facilitar o escalonamento de mudas no viveiro. O presente trabalho teve como objetivo estudar a viabilidade da conservação e crioconservação de sementes do marmeleiro ‘Japonês’. Uma parte das sementes foi semeada imediatamente e o restante teve a umidade rebaixada para 14,14%. Parte foi estratificada por 20 dias em geladeira em placas de Petri, outra parte foi armazenada por 3, 6, 9 ou 12 meses dentro de tubos plásticos, sob a temperatura de 20, 5 ou -12 ºC, e as sementes restantes foram crioconservadas por 20 dias. Após o armazenamento, todas as sementes foram estratificadas, semeadas sob placas de Petri e colocadas em câmara tipo B.O.D. Avaliou-se a porcentagem de germinação ao final da estratificação e por mais quatro avaliações espaçadas de sete dias. Concluiu-se que é possível armazenar as sementes de marmeleiro por até 9 meses sob a temperatura de 20 ºC ou por longos períodos através da crioconservação.

Downloads

Publicado

04-03-2013

Como Citar

CELANT, V. M.; PIO, R.; CHAGAS, E. A.; BARBOSA, W.; RAMPIM, L.; FIGUEIREDO, M. A. de; ASSIS, C. N. de; TIBERTI, A. S. Conservação e crioconservação de sementes do porta-enxerto de marmeleiro ‘japonês’. Scientia Agraria Paranaensis, [S. l.], v. 11, n. 4, p. 61–65, 2013. DOI: 10.18188/sap.v11i4.5132. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/article/view/5132. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Científicos