Manutenção do status hídrico de plantas de soja induzida por Etil-Trinexapac

Autores

  • Samuel Luiz Fioreze
  • Vandeir Francisco Guimarães

DOI:

https://doi.org/10.18188/sap.v14i3.9224

Palavras-chave:

controle estomático, déficit hídrico, Glycine max L. Merril, inibidores de giberelina, tolerância protoplasmática

Resumo


Aumentar a tolerância de plantas cultivadas a estresses abióticos por meio de técnicas de cultivo é um desafio para a pesquisa, sendo que os reguladores vegetais apresentam grande potencial de utilização no manejo fisiológico de culturas. O presente estudo teve por objetivo avaliar os efeitos da aplicação de Etil-Trinexapac em plantas de soja submetidas a déficit hídrico. O experimento foi conduzido em esquema fatorial 4X2, em delineamento experimental de blocos casualizados, com quatro repetições. Foram testadas quatro doses de Etil-Trinexapac (0, 50, 100 e 200 g ha-1 i.a.) e dois regimes hídricos (irrigado e imposição de déficit hídrico na fase reprodutiva). O conteúdo relativo de água das folhas foi determinado durante o período de déficit hídrico e recuperação das plantas. Ao final deste período determinou-se a tolerância protoplasmática foliar, o acúmulo de matéria seca e a área foliar, e ao final do ciclo da cultura foram determinados os componentes da produção e a produção de grãos por planta. O déficit hídrico foi caracterizado como de baixa intensidade, afetando o crescimento e o desenvolvimento das plantas de soja, sem reflexos na produção de grãos. A aplicação de Etil-Trinexapac resultou na manutenção do conteúdo relativo de água das folhas, principalmente na dose de 200 g ha-1, sem afetar as variáveis biométricas e a produção de grãos das plantas, sendo um indicativo do aumento da tolerância à seca em plantas de soja.

Downloads

Publicado

18-09-2015

Como Citar

FIOREZE, S. L.; GUIMARÃES, V. F. Manutenção do status hídrico de plantas de soja induzida por Etil-Trinexapac. Scientia Agraria Paranaensis, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 166–172, 2015. DOI: 10.18188/sap.v14i3.9224. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/article/view/9224. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Científicos