A CONSTRUÇÃO DA HEGEMONIA E A HEGEMONIA DA CONSTRUÇÃO: A FORMAÇÃO DAS ENTIDADES NACIONAIS DOS EMPREITEIROS DE OBRAS PÚBLICAS E SUA ATUAÇÃO JUNTO AO ESTADO AMPLIADO NO BRASIL (1956-1964)

Autores

  • Pedro Henrique Pedreira CAMPOS Professor do Departamento de História e Relações Internacionais da UFRRJ.

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v22i1.17769

Palavras-chave:

empresários, empreiteiros de obras públicas, Estado ampliado, aparelho privado de hegemonia, golpe de Estado de 1964

Resumo


O presente artigo analisa as formas de organização dos empresários da construção civil no âmbito da sociedade civil e a formação das primeiras entidades nacionais do setor durante o governo Juscelino Kubitschek (1956-1961). São abordadas as condicionantes que levaram à associação desses agentes e, com o uso de um aparato teórico e conceitual marxista gramsciano, problematizamos a atuação desses aparelhos privados de hegemonia junto ao Estado ampliado no Brasil. Verificamos a participação dos empreiteiros de obras públicas, através de suas organizações, no golpe de Estado de 1964 e também a sua atuação na formulação de propostas de políticas públicas que foram aplicadas depois da derrubada do regime democrático, políticas essas que tiveram esses empresários como grandes beneficiários.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Pedreira CAMPOS, Professor do Departamento de História e Relações Internacionais da UFRRJ.

Professor do Departamento de História e Relações Internacionais da UFRRJ. Doutor em História pela UFF. Atua nas áreas de História econômico-social, Estado e políticas públicas, empresariado brasileiro e no período da ditadura civil-militar (1964-1988)

Downloads

Publicado

12-08-2018

Como Citar

CAMPOS, P. H. P. A CONSTRUÇÃO DA HEGEMONIA E A HEGEMONIA DA CONSTRUÇÃO: A FORMAÇÃO DAS ENTIDADES NACIONAIS DOS EMPREITEIROS DE OBRAS PÚBLICAS E SUA ATUAÇÃO JUNTO AO ESTADO AMPLIADO NO BRASIL (1956-1964). Tempos Históricos, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 450–477, 2018. DOI: 10.36449/rth.v22i1.17769. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/17769. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos